terça-feira, fevereiro 28, 2006

ZONAS AUTÔNOMAS TEMPORÁRIAS
& O Terrorismo Poético de Hakim Bey


Quem é HAKIM BEY? Um dos maiores fenômenos underground da internet, Bey é escritor e auto-intitula-se “anarquista ontológico”, ou “terrorista poético”. Tem dois livros lançados no Brasil, “TAZ – Zona Autônoma Temporária” e “CAOS – Terrorismo Poético e Outros Crimes Exemplares” (ambos lançados pela editora Conrad), e quatro mais recentes, ainda sem tradução. Mas o que faz um autor semi-desconhecido que escreve sobre temas não-comerciais se tornar um sucesso entre jovens de todo mundo?
A idéia de Bey é combater o poder instituído criando espaços de liberdade (virtuais ou não) que surjam e desapareçam o tempo todo. Festas clandestinas e intervenções urbanas, por exemplo. Em tempos de rebeldia plastificada e fundamentalismo radical, a idéia de um “terrorista” que age sem matar ninguém é, no mínimo, inspiradora, e talvez esteja aí a razão de seu êxito – são 749.000 referências sobre o cara no Google...

Especula-se na rede que a real identidade do autor do conceito de “zonas autônomas temporárias” seja PETER LAMBORN WILSON, um escritor e poeta americano nascido em Nova York em 1945, autor de “Utopias Piratas – Mouros, Hereges e Renegados” (lançado no Brasil tb. pela Conrad) e mais de 20 outros títulos. Wilson desenvolveu suas idéias após morar em diversos países do Oriente: Índia, Paquistão, Afeganistão e Irã, onde morou por 7 anos e foi membro da Academia Imperial de Filosofia. Deixou o país durante a Revolução Islâmica e, a partir dos anos 80, passou a lançar ensaios e poemas sintetizando idéias anarquistas e situacionistas, e publicou o projeto Autonomedia - algo como “mídia autônoma”.
Dizem que “Hakim Bey”, na verdade, significa “wise man” (cara esperto) em turco, o que reforça a tese de que o autor de “Caos” e “TAZ” seja mesmo o velhinho Wilson. Outras fontes afirmam que esse pseudônimo vem sendo usado desde os anos 70 por escritores radicais p/ manterem o anonimato. Se você ainda não entendeu o que é uma zona autônoma temporária e quer saber quem é o misterioso fita, leia a entrevista a seguir, concedida à revista
High Times:

- Hakim, de onde vc é?
Bem, a informação padrão (que é tudo o que falo) é que eu era um poeta da corte de um principado sem nome do norte da Índia, que eu fui preso na Inglaterra por um atentado anarquista à bomba e que eu vivo em um trailer em Nova Jersey.

- Você pode explicar o “terrorismo poético”?
Por terrorismo poético eu entendo ações não-violentas em larga escala que podem ter um impacto psicológico comparável ao poder de um ato terrorista, c/ a diferença que o ato é uma mudança de consciência.
- O que é “zona autônoma temporária”?É uma idéia que algumas pessoas acham que eu criei, mas eu não acho que tenha criado ela. Eu só acho que pus um nome esperto em algo que já estava acontecendo: a inevitável tendência dos indivíduos de se juntarem em grupos p/ buscarem a liberdade. E não terem que esperar que ela chegue em algum futuro utópico abstrato e pós-revolucionário. A questão é: como os indivíduos maximizam a liberdade sob as situações dos dias de hoje, do mundo real? Eu não estou perguntando como gostaríamos que o mundo fosse, mas o que podemos fazer aqui e agora. (...) Existem pontos na vida de todos que as hierarquias opressivas invadem uma regularidade diária: educação compulsória, trabalho... Você é forçado a ganhar a vida, e o trabalho por si só é organizado como uma hierarquia opressiva. Então a maioria das pessoas, todos os dias, tem que tolerar a hierarquia opressiva do trabalho alienado. Por essa razão, criar uma Zona Autônoma Temporária significa fazer algo real sobre essas hierarquias reais e opressivas – não somente declarar antipatia teórica a essas instituições. É como um vírus verbal. Ele diz o que significa. No aumento da popularidade do livro (“TAZ”), muitas pessoas se confundiram e usaram o termo como um rótulo p/ todo tipo de coisa que ele realmente não é. Isso é inevitável, uma vez que o próprio vírus está solto na rede.- A internet é uma Zona Autônoma Temporária?Não. A revista Time fez uma matéria sobre ciberespaço que me citou erroneamente, o que me deixou particularmente feliz. Se a Time entendesse o que eu estava falando, eu seria forçado a reestruturar toda minha filosofia, ou talvez desaparecer p/ sempre em desgraça. Eles diziam que o ciberespaço é uma Zona Autônoma, e eu não concordo. Eu acho que a liberdade inclui o corpo. O ciberespaço é um espaço sem corpo, abstrato e conceitual. Não existe cheiro nele, nem sentimento nem sexo. Se qualquer uma dessas coisas existe lá, são apenas simulacros, não elas mesmas. A única coisa que a internet pode ter c/ relação às TAZ é que ambos são instrumentos p/ alcançar a liberdade. Então é importante trabalhar p/ proteger as liberdades de expressão e comunicação que estão abertas neste exato momento pela internet.

- Como criar uma TAZ?
Na China, há os “tongs”, que em cantonês significa “assembléia de todos”. Um grupo de amigos c/ afinidades que se junta p/ intensificar seu prazer e liberdade por meios que não sejam reconhecidos como legais pela sociedade. O que nós precisamos é de uma estética e uma tradição de sociedades clandestinas não-hierárquicas. (...) Eu vejo a TAZ como o florescimento temporário do sucesso dessas redes. Uma das formas desse florescimento são os festivais:
Rainbow Gathering, Zippy, Burning Man – eventos espontâneos, não-regulados, não-mercantilizados.
- Uma Zona Autônoma necessariamente se abstém do uso de dinheiro?É difícil, mas pode acontecer. O Rainbow Gathering, por exemplo, se abstém. Isso é quase uma garantia de um grau muito maior de autonomia temporária p/ as pessoas que estão participando.

- Onde as pessoas podem achar Zonas Autônomas Temporárias?
Não posso dizer, porque elas não existem precisamente em mapas c/ coordenadas cartesianas. A qualquer momento uma TAZ pode ocorrer. Em um nível mínimo, um jantar na casa de alguém pode repentinamente evoluir numa TAZ. O potencial está lá, porque é organizado de uma maneira não-hierárquica, p/ convivência. Em um nível máximo, houve TAZ que duraram alguns anos.

- Criar uma TAZ é quase criar o seu próprio espaço autônomo livre em si mesmo...
Você não pode declarar uma TAZ. É algo que acontece espontaneamente. Quando de repente vc diz, uau, tem N pessoas aqui, mas tem N + N energia, excitação, prazer, liberdade, consciência. Esse momento de sinergia de corrente cruzada acontece quando um grupo de pessoas está tendo algo mais de uma situação que a soma do que os indivíduos estão colocando nisto. Não há como prever. Tudo o que vc pode fazer é maximizar o potencial p/ o aparecimento.
ilustração (topo): "Dub Revolution", de Dúnia Quiroga
trilha sonora: "Futura", Nação Zumbi

2 comentários:

Anônimo disse...

"Wise man" também pode ser traduzido para "homem sábio", mas dizem que significa também "Senhor Juiz". Quem sabe?

TeTé TriP disse...

Muito esclarecedor... abç