terça-feira, novembro 28, 2006

OS BRUTOS TB MORREM
Novembro tá sendo um mês de matar. Depois de Bob, foi a vez de Jece Valadão, o último machão. Morto aos 76 de ataque cardíaco, Jece ficou marcado pelo tipo que encarnou em “Os Cafajestes”, de 1962, que o lançou à fama. Participou de mais de 100 filmes, entre eles “Rio Zona Norte” e “Rio 40 Graus”. Foi um dos principais atores do Cinema Novo, mas foi também produtor e diretor. Vindo de uma família de semi-analfabetos e pai de 9 filhos (de 6 casamentos), fazia o tipo rústico e grosseirão. Ano passado, sofrendo de diabetes e c/ problemas na visão e no pulmão, ainda interpretava, na peça “A Paixão Segundo os Rodrigues”, c/ frases de Nelson Rodrigues e música de Lupicínio Rodrigues. Numa tentativa de se livrar do estigma (e fazer uma grana), também interpretou uma bicha numa versão de “Gaiola das Loucas”, mas mandou avisar: Ainda sou machão”.
Jece é uma grande perda porque era um cara de atitude – foi, por exemplo, o produtor executivo de “Os Cafajestes”, carregando o filme nas costas. Mas ele morreu de velho, igual a Robert Altman. Pior sorte vem tendo o pessoal que mora no Oriente Médio:
Novembro foi o mês mais sangrento no Iraque desde o início da invasão americana, em 2003, e a troca de hostilidades entre Israel e Palestina seguiu mais forte que nunca, c/ bombardeios vindos do lado palestino e ataques israelenses a mulheres e crianças do lado inimigo. O clima no Iraque é de guerra civil – em outubro, 3709 civis morreram, superando o recorde anterior de 3590 mortes em julho. Ontem, o 1º Ministro de Israel propôs um cessar-fogo e troca de reféns, desde que a Autoridade Palestina reconheça o Estado de Israel como legítimo. Acontece que a Autoridade Palestina agora é o Hamas, o grupo armado palestino mais radical. Sabe quando essa guerra vai acabar? No dia em que Jece Valadão deixar de ser machão.
“Nem morto!”, eu posso ouvi-lo gritando do caixão.

3 comentários:

os brutos tambem amam disse...

Muito bom o texto, cara. Agora sim.

viva la brasa disse...

Valeu, sujeito. Mas chega de falar de gente morta. Pelo menos por enquanto.

evangélico disse...

Bom texto, mas esqueceu de dizer que em seus últimos anos na Terra Jece Valadão converteu-se à Palavra do Senhor e viveu como Cristão temente a Deus. Só Jesus Salva.