sábado, novembro 18, 2006

VÍTIMAS DA MODA
"O Nascimento de Vênus", de Botticelli: do tempo que as modelos não eram anoréxicas
Uma pena o que aconteceu c/ essa menina, a Ana Carolina. Quer dizer, todo dia milhões de pessoas morrem de inanição e outras doenças decorrentes da falta de uma alimentação adequada, seja na África subsaariana ou nas esquinas das nossas ruas. Mas é preciso que uma garota bonita, jovem e bem-sucedida morra de desnutrição p/ que a gente pare pra pensar sobre o tema.
A modelo
Ana Carolina Reston morreu esta semana apresentando um quadro grave de anorexia nervosa. Tinha 21 anos. Em uma entrevista concedida em abril à Revista da Hora, ela já havia admitido ter perdido o controle da situação: “Às vezes ainda me acho gorda. Eu tenho uma imagem distorcida de mim.” Ela ainda contou que a obsessão pela magreza começou a se tornar uma doença quando estava trabalhando no Japão: “Eu pesava 46kg, tenho 1,74m, e ainda tomava remédio p/ emagrecer. Cheguei a pesar 42kg.” Tinha 40kg na terça-feira, dia de sua morte.O jornal americano The New York Post noticiou que “uma modelo brasileira bela, mas obcecada por peso, que trabalhou p/ algumas das melhores agências nova-iorquinas, se matou de fome”. O inglês The Independent acha que o que aconteceu c/ Ana Carolina deve causar uma “auto-análise” nos principais centros de moda do mundo: “A indústria se vê acusada de não apenas negligenciar a saúde das modelos, mas de, através delas, encorajar jovens mulheres a levarem dietas p/ perder peso a extremos perigosos.” The New York Times fez um apelo p/ que as agências parem de empregar modelos “tamanho-zero”, o equivalente ao manequim 32 no Brasil. Na Semana de Moda de Madri, modelos c/ IMC (índice de massa corpórea) muito baixo já são barradas nos desfiles.
FUCK THE FASHION

Moda e anorexia estão associadas há um bom tempo. A modelo Twiggy, uma das principais dos anos 60, era famosa por sua extrema magreza. Os viados chamados de estilistas gostam de mulheres magras, primeiro porque não gostam de mulher, segundo porque esqueléticas cabem melhor nas suas criações bizarras. O mundo da moda fede. Ontem, durante uma reunião dos principais cabeças do ramo no Brasil, foi acertado que as agências nacionais irão exigir atestado de saúde de suas contratadas, mas fizeram questão de deixar claro que o caso da Carol seria uma “exceção”. Difícil acreditar.
O engraçado é que esse padrão foi instaurado há menos de 50 anos. Até então, mulher bonita tinha que ter curvas – uma verdade que continua a valer no mundo real. Da arte renascentista à impressionista, as pin-ups dos anos 50 (Marilyn Monroe, Bettie Page), até os tempos atuais, c/ Beyoncé, Jennifer Lopez e Juliana Paz – as mulheres consideradas mais gostosas sempre tiveram CARNE.
CASOS FAMOSOS
Anorexia e bulimia não são doenças restritas ao meio fashion. O caso mais famoso até então era o da cantora Karen Carpenter, que morreu em 1983 aos 32 anos, depois de um ataque cardíaco decorrente de anorexia. Ela fez muito sucesso nos anos 70 formando a dupla The Carpenters c/ o irmão Richard.

No Brasil, a atual campeã brasileira de surf feminino pro, Andréa Lopes, teve anorexia aos 20 anos. No auge da doença, chegou a pesar 38kg. Hoje, aos 31, tem 21kg a mais e está na sua melhor forma: “Todo mundo que vinha me oferecer comida era uma ameaça p/ mim. Tinha obsessão c/ meu peso e só pensava em ser campeã mundial.” Andréa só se tratou após insistentes pedidos da mãe, que chegou a ouvir na praia comentários de que sua filha devia estar c/ AIDS.Andréa Lopes é uma atleta e buscou tratamento a tempo de se salvar. Depois de curada, ela foi a primeira brasileira a vencer uma etapa do mundial feminino e é a recordista de títulos brasileiros – quatro. Ana Carolina Reston não teve a mesma sorte. Obcecada c/ a própria imagem, só conseguiu se tornar modelo do que as meninas devem evitar se tornar. Uma pena.

VIVA LA BRASA – por uma estética menos fútil

2 comentários:

Hugo Ribeiro disse...

Adolfo, cadê seu telefone? Ligue para mim:

3231-4863 / 8819-8640

Nós vamos sair hoje (sábado) à noite para comer um pastel. Seria legal se você viesse com a gente.

Hugo

Retratos disse...

adorei seu bloger, é isto mesmo, tem que se manifestar, sobre este sistema miseravel que maltrata nossas meninas, em prol de uma moda que nem usavel é.
Transformam as pobres em cabides ambulantes de roupas ridiculas que jamais vao ser usadas no dia a dia de qualquer ser humano. abraços
parabens