sábado, fevereiro 23, 2008

CONEXÃO MANGUEIRA
Tuchinha (ao centro): "Mandou me chamar, eu vou!"
O carioca Francisco Paulo Testas Monteiro, mais conhecido como Tuchinha, foi preso hoje de manhã em Aracaju. Chefe do Morro da Mangueira (RJ) nas décadas de 1980/90, cumpriu 17 anos de detenção no presídio de segurança máxima Bangu 1, um terço da pena de 43 anos a qual foi condenado por tráfico e formação de quadrilha. Em liberdade condicional desde julho de 2006, voltou à mira da justiça desde outubro do ano passado, quando investigações comprovaram que ele continuava dominando o movimento na Mangueira. Tuchinha estava foragido desde então. Há um mês morando numa mansão no bairro da Aruana, litoral sergipano, foi capturado numa operação conjunta da Polícia Federal do Rio e de Sergipe. Estava dormindo e não ofereceu resistência.
Na casa de 1500 metros quadrados (c/ piscina) em que estava instalado, foram encontrados 2 carros no valor de R$ 150.000 - um Polo Sedã e uma Nissan Xterra - , equipamentos eletrônicos de última geração, tipo TV de plasma, e artigos finos como chocolates importados, charutos cubanos e garrafas de uísque. Nenhuma droga, no entanto. Será que ele pretendia abrir uma importadora aqui na cidade? Segundo o superintendente da PF/SE, Carlos Rogério Ferreira, Tuchinha vinha se organizando p/ se estabelecer na área por ser desconhecido na região, mas pagar imposto pro governo não estava nos seus planos. "A sua presença em Aracaju funcionaria como um braço direito do Comando Vermelho em solo sergipano", afirmou Fernando Morais, diretor da Divisão Anti-Seqüestro da PF/RJ. "Além da ligação c/ o C.V., o Tuchinha ainda mantém relações c/ o PCC de São Paulo".
O FILHO PRÓDIGO À CASA TORNA
Mesmo depois de quase duas décadas na cadeia, e há meses foragido, ele continuava dando as cartas na Mangueira, tanto no morro quanto na escola de samba: "A escola ficou sob o jugo dele. Ele roubou muito dinheiro da Mangueira, cobrando participação na renda de bailes realizados na quadra, entre outras coisas", disse Morais. C/ o nome artístico de "Francisco do Pagode", Tuchinha foi um dos autores do samba-enredo da Estação Primeira este ano. De acordo c/ escutas telefônicas realizadas pela PF e a Civil, ele usaria uma passagem secreta da quadra p/ chegar ao camarote que funcionava como seu escritório. O mesmo grampo flagrou uma ligação que confirmaria sua influência na escolha do samba da "verde-e-rosa".
Estima-se que a quadrilha chefiada por ele e seu primo, Leandro "Pitbull", movimente semanalmente R$1 milhão c/ as bocas-de-fumo e os bailes funk e ensaios na quadra da Mangueira. Foi por causa de desentendimentos c/ seu primo que Tuchinha fugiu da favela e passou a ser perseguido pelos "hômi". Ele buscou abrigo nos morros Dona Marta e Tabajara. Depois continuou fugindo c/ a mulher, Ana Cláudia, e a filha do casal, de 3 anos. Passou por Búzios (RJ), Vitória (ES), Brasília (DF), Salvador (BA) - onde passou o reveillón - e finalmente fixou residência na Aruana (SE), desde 11 de fevereiro. Tuchinha foi tranferido hoje à noite p/ Bangu 1, onde ficará isolado dos outros presos (o famoso "seguro") pela possibilidade de ser assassinado por ordem da cúpula do CV. Em seu depoimento, ele disse que pretendia largar a vida do crime. Se depender do 10º lugar na classificação geral, entre as 12 do grupo Especial, que a Mangueira obteve no último carnaval, eu não apostaria numa carreira de compositor. C/vocês, o samba (antepenúltimo colocado) de Tuchinha e seus amigos:
100 ANOS DE FREVO, É DE PERDER O SAPATO. RECIFE MANDOU ME CHAMAR
(Lequinho- Jr. Fionda- Francisco do Pagode – Silvão - Aníbal)
Ao som de clarins/ Descendo a ladeira/ Sou mangueira/Tem frevo no samba/ Deu nó na madeira/Orgulho da cultura brasileira/
A majestade é o povo/ Sem o povo história não há/Estende o brasão, reflete o leão/ Símbolo de garra e união/
Capoeira invade os salões/ Mascarados, despertam dragões/E pelas ruas, vem zé pereira/ Arrastando a multidão(2x)
Nascia o frevo contagiando toda a massa/E até hoje tem colombina e seus amores/Passo no bloco das flores/ O profano é sagrado no maracatu/
Nos cem anos de história, desperto a alvorada/Brincando no galo da madrugada/Invade a cabeça, o corpo, embala os pés/Delírio da massa, um frevo!/
É a mangueira no passo do frevo/Voltei de sombrinha na mão/ Sonhando em gritar é campeã/
Mandou me chamar, eu vou/ Pra recife festejar/ Alegria no olhar eu vejo/ É frevo, é frevo, é frevo!(2x)

2 comentários:

Anônimo disse...

tuchinha ia entrar no ramo imobiliário, ele ia entrar nas licitações das obras do PAC

Anderson Ribeiro disse...

Um homem dormindo é um anjo. Pra que brigar? Disse ele:'Vamos, me leva, canseide tranquilidade". hehehehehe. Será que ele iria 'resgatar' os desfiles das escolas de samba na capital sergipana? Uma mangeira no aracajueiro? é bom lembrar que em Estância tem uma Mangueira também, em alusão a carioca do Tuchinha. hahahahahaha.