domingo, maio 31, 2009

PEGANDO JACARÉ O Conjunto Augusto Franco é um dos bairros mais populosos de Aracaju. Fica na rota da praia e do aeroporto, composto por dezenas de condomínios de prédios populares, onde moram milhares de pessoas. A parada de ônibus da av.Heráclito Rollemberg, em frente à 4ª Delegacia Metropolitana, é um dos pontos nevrálgicos. Chova ou faça sol, o movimento lá é sempre intenso, do início do dia ao final da noite – criançada indo pra escola, pessoal voltando do trabalho...
Na manhã do dia 19 de maio, essa rotina foi quebrada pela ilustre presença de um jacaré do papo amarelo. A fêmea de 1m30 esperava tranquilamente um busão e, apesar do susto na geral, não atacou ninguém nem ofereceu resistência ao ser capturada pelos bombeiros. “Não deu muito trabalho, ELE estava calmo”, declarou o assessor de imprensa da PM, referindo-se a um animal FÊMEA como se fosse macho.
Ali sempre teve jacaré, aquilo tudo era mangue até começarem a aterrar p/ fazer os condomínios”, diz mestre Cleomar, referindo-se à gigantesca área de manguezais da Zona Sul, que se estende pelos bairros 13 de Julho, Garcia, Jardins, Ignácio Barbosa, Distrito Industrial, São Conrado, Orlando Dantas, Augusto Franco, Santa Maria e Atalaia, entre outros.
Biólogos do Ibama acreditam que as chuvas que vêm caindo intensamente na cidade tenham contribuído p/ que a jacaré “saísse de seu habitat natural e se aventurasse pela capital” – parafraseando Jadilson Simões, repórter fotográfico free lancer. É dele a fantástica foto de um surfista fazendo ‘tow at’ [tow-in em marolas] numa rua alagada no residencial Costa do Sol, puxado por uma moto, capa da edição de 20/05/09 do Jornal da Cidade.
TOW AT-OLADO
Faz 1 mês que chove chuva, chove sem parar, e há 3 semanas minha rua está ALAGADA. No auge da frente fria, a água enlameada entrou no meu terreno e por pouco não invadiu minha casa. Moro na Praia da Costa desde 2002, e a cada ano piora a situação. O governo anterior fez uma ponte gigante ligando a Barra à capital, condomínios estão sendo erguidos na entrada da cidade, o asfalto foi recapeado, mas ainda falta muito p/ justificar o mítico título de “Capital da Qualidade de Vida”, especialmente do lado de cá da ponte. A estrada p/ a Atalaia Nova, que passa pela Costa, não tem iluminação – o que já me valeu um sério acidente de moto – e a rua onde moro ainda é de piçarra. Que vira LAMA quando chove.
Minha sorte é que moro na praia, dá p/ sair pelo outro portão e caminhar uns 500 metros à beira-mar, até pegar um trecho seco e subir a estradinha rumo ao ponto de ônibus na avenida principal. Tá ruim mesmo é pros meus vizinhos da Atalaia Nova. Além das chuvas, eles têm que lidar c/ outra intempérie natural: o avanço do mar.
O município da Barra dos Coqueiros fica num braço de terra entre o Rio Sergipe e o Oceano Atlântico. Os bairros Coroa do Meio, em Aracaju, e Atalaia Nova, na Barra, localizam-se no estuário do rio. Essa área está sujeita a alterações geográficas constantes, por causa da força das marés, que se intensificaram nesses últimos anos c/ o aquecimento global. Mesmo assim, o homem insistiu em construir quebra-mares. Em vão.
A orlinha da Coroa do Meio, em frente ao farol da Atalaia – a ‘velha’ – , onde ficava a Confraria de Bar Cleomar Brandi, praticamente não existe mais, só os bares mais próximos à pista ainda resistem. E a ‘nova’ Atalaia está sendo gradualmente ENGOLIDA pela ira do mar. “A coisa começou a ficar difícil quando construíram o molhe da Coroa do Meio. As águas não tinham pra onde ir, acabaram voltando pra cá, causando essa destruição. Aí colocaram essas pedras de contenção, mas passados tantos anos, as pedras estão sendo deslocadas e o mar tomando conta do que é dele”, diz Seu Juraci, nascido e criado na ‘ilha’, referindo-se ao quase extinto quebra-mar da Atalaia Nova.
TEMPO BOM NÃO VOLTA MAIS
Aquela praia dos velhos tempos, em que aconteciam grandes festas, os bares e restaurantes lotados aos finais de semana e feriados, já não existe mais”, constata João Batista, outro morador. “O poder público podia tomar providências p/ evitar que a destruição seja total.” Mas, como esperar soluções de um Estado que deixa faltar água nas casas mesmo quando chove? A companhia de abastecimento de água instituiu, no início do ano, um rodízio nos bairros da Grande Aracaju por causa da seca que tinha baixado o nível dos reservatórios, no entanto mesmo debaixo de um dilúvio as torneiras continuam vazias.
Muita gente ainda vem pra Atalaia Nova nos fins de semana e feriado. Os turistas gostam da praia”, lamenta Patrícia Emídio, proprietária do boteco Gogó Gelado, mais um dos fadados ao fim: “Eu já coloquei essas pedras pra impedir que o mar derrube o meu bar, mas não tem adiantado muito. Esse bar vizinho já tá quase todo destruído.A Atalaia Nova é uma das praias mais bonitas do estado, c/ uma vista surreal: a cidade de Aracaju do outro lado do rio. Desde sempre, é um dos destinos favoritos de veranistas, hippies e toda sorte de malucos, inclusive surfistas – c/ o swell certo dá pra pegar uma marolinhas perfeitas no quebra-mar.
Valmir Neto, o melhor surfista surgido em nossas praias, é nativo da ‘ilha’. Tentei contatá-lo p/ esta matéria, mas ‘Netinho’, como é chamado por nós [amigos e família], está neste momento competindo numa etapa do Brasil Tour. Em compensação, editei um videoclipe c/ imagens dele, de Romeu Cruz e de Bruno Marujinho, c/ cenas da Praia do Meio e Atalaia Nova, exclusivo p/ o VxLxBx. As imagens são de Leonardo Menezes, filmadas há 3, 4 anos, e fizeram parte do filme Merrecas. Esse material estava num pen drive que o Léo passou p/ o PERIFERIA, quando fizemos um perfil c/ ele. Apenas uma cena de surf é recente e feita pelo cinegrafista Júnior Guedes, da Aperipê TV. Usei uma música da REAÇÃO, “Recado do Zion”, grande performance do André Levi, p/ provar que dá p/ fazer filme de surf usando bandas locais na trilha sonora:
(...) Não há caminho para o perambulante/ Faz-se o caminho ao caminhar/
Com a convicção de que unidos somos fortes/ Quem são eles para nos subjugar?/
Para ninguém/ Para ninguém/ Não viemos aqui pra nos curvarmos pra ninguém (...)
PASSADO... PRESENTE... FUTURO?
Romeu Cruz é o maior nome do surf sergipano de todos os tempos, o 1º a conquistar o título nordestino open, em 1992, e até hoje o único a fazer parte do Super Surf, do qual foi Top 20 em 2001, ao ficar em 2º lugar na etapa de Pernambuco. Está c/ 36 anos e é o melhor representante do estado no circuito nordestino pro 2009, c/ uma semi na 1ª etapa.
Netinho e Marujinho são a evolução. Bruno Robson é filho do pescador dono do Bar do Marujo, daí seu apelido. Valmir Neto [foto] é filho do longboarder Valmir Chagas, ex-presidente da FSS. São 2 caras que cresceram c/ água salgada no sangue, e as cenas do CLIP registram um período de transição p/ ambos: a passagem de amador p/ profissional. Em 2005 Netinho foi campeão open dos circuitos sergipano, paraibano, potiguar e nordestino, e no ano seguinte estreou entre os Top Pro do Nordeste ao ser vice da última etapa. Marujinho, 5 anos mais jovem, foi campeão sergipano júnior e open em 2006 e Top 5 nordestino. Enquanto Valmir adiou ao máximo a mudança de categoria, à espera de inve$timento, Marujinho não se fez de rogado e virou pro aos 19 anos, apenas 1 ano depois da profissionalização de Netinho, aos 23.
De lá p/ cá, o surf de ambos foi se desenvolvendo a olhos vistos – Marujinho [foto] passou a dominar os aéreos a ponto de levar todas as expression sessions realizadas aqui este ano; Netinho investiu em viagens a Fernando de Noronha e incluiu em seu repertório de manobras voadoras adaptações modernas como sex change e kerrupt flips. Porém, há quase 2 anos nenhum deles emplaca um resultado expressivo. Valmir Neto, campeão sergipano e pernambucano pro em 2007, desde então não venceu mais nenhum campeonato, e perdeu seu lugar entre os Top nordestinos na última temporada. Bruno ‘Marujo’ voltou a competir como amador no final do ano passado – venceu a última etapa do circuito Aracaju Surf Power e lidera o ranking estadual c/ dois vices em duas etapas.
ENTRE 2 AMORES
No caso do Marujinho, falta patrocínio. Durante 2 anos a construtora Norcon lhe pagou um mísero salário mínimo, mas desde que esse contrato acabou, o moleque tem feito bico de motoboy p/ pagar as contas. Valmir é da equipe da marca paulista South to South e tem o apoio das lojas Venice, mas a cabeça tem lhe deixado na mão: não gosta de viajar sozinho, se deixa abalar pelas críticas do pai, não participa das campanhas publicitárias do seu patrocinador, e não quer mudar p/ o Sul ou o Sudeste p/ não ficar longe da namorada, a também competidora Carine Góis.
Ironicamente, Carine vem se tornando uma das maiores papa-títulos da região: atual campeã nordestina universitária, vice-campeã brasileira, levou as $500 pratas do Verão Sergipe [1º prêmio em dinheiro oferecido às mulheres no estado], venceu a etapa de abertura do estadual e chegou a competir contra os homens no II Atalaia Nova Surf Style, realizado na Praia da Costa, em março. Ela foi a única surfista a se inscrever na categoria feminina, e c/ a falta de competidoras optou por fazer um treino na open masculina [já que não poderia competir na júnior por ter 20 anos]. Passou em 1º lugar na sua bateria de estréia surfando mais do que os marmanjos: “Foi muito bom ter participado dessa competição junto c/ os garotos, eles têm um nível de surf muito bom, mais alto do que as meninas. Então tentei ali me igualar a eles, buscando evoluir meu surf.
Carine Góis está c/ um blog bem completo no ar, contemplando seus principais resultados e aparições na mídia. Coisa que seu namorado Valmir já deveria ter há um bom tempo, não fosse tão mal assessorado. Netinho tem que cair na real do surf, uma profissão c/ data de validade curta e garantias mínimas p/ o futuro. A hora de ganhar o mundo é essa. Daqui a alguns anos talvez ele não tenha as mesmas oportunidades que vem tendo agora. Daqui a alguns anos, pode ser que nem exista mais Atalaia Nova.
MORAL DA HISTÓRIA
1) "Em rio que tem esgoto, jacaré anda de ônibus" Brasaman
2) "Sem liberdade de criticar, não existe elogio sincero" Beaumarchais
VALMIR NETO - 'REENTRIE' ANIMAL!
DO SITE EM FOCO SURF [25/05/09]: "O atleta sergipano Valmir Neto não venceu a etapa nordestina de surf mas protagonizou uma das manobras mais iradas da competição. Rodrigo Mesquita, o fotógrafo oficial da ANS, não deu mole e segurou o dedo para registrar uma das melhores manobras executadas durante a terceira etapa do circuito nordestino de surf profissional 2009. Com essa manobra Valmir obteve uma boa média dos juízes e garantiu a sua vaga na terceira fase, onde parou diante de Messias Félix, John Max e Rudá Carvalho. Será que ele completou?"

RESPOSTA: "Lógico que voltou, fez um 7 e pouco só nessa única manobra, surfa muito este fera, ele em casa na próxima etapa em Aracaju vai ser show, boas ondas rapaziada, valeu!" Thibério Menezes, colaborador do site Ondulação

RECADO DO ZION

video
IMAGENS: Leonardo Menezes [2005/06] / Júnior Guedes [2009]
EDIÇÃO: Homem-Brasa
/TRILHA SONORA: "Recado do Zion", Reação [2008]

3 comentários:

Anderson Ribeiro disse...

Tow at-olado foi mais genial que a manobra do Valmir. Mereceu 10 só com essa citação. hehehehehe. E na final, "em rio que tem esgoto, jacaré anda de ônibus"... outro 10... Resultado: O Brasaman é o vencedor. kkkkkkkkkkkkk

branca gil disse...

Amei o texto!
te amo muito viuuuu!!!!

Anônimo disse...

Animal man , sempre com uns textos Matadores( Killers)
um mundo paralelo tao perto da gente e tao distante tambem abrax e Good Vibes