quarta-feira, março 18, 2009

PRO/AM

Aconteceu no último fim de semana a 1ª etapa do circuito sergipano de surf, no Havaizinho, orla de Atalaia. Estive na praia sexta-feira gravando um material pro Periferia c/ o atleta Bruno Marujinho [foto], 21 anos, que corre como "pro" desde os 18 mas este ano voltou a competir nos eventos amadores, por falta de patrocínio e de campeonatos profissionais fortes no Nordeste. Marujinho ficou em 2º na etapa, perdendo a final open p/ outra fera local, o voador Daniel Silva.
O campeonato foi realizado por Leonardo Menezes, do site
Ondulação e autor dos 2 únicos filmes de surf sergipanos, Merrecas [2007] e Identidade [2008]. Desde que assumiu a direção da Federação Sergipana de Surf, o incansável Léo tem feito as coisas acontecerem. Antes da abertura do circuito, já havia rolado 3 campeonatos grandes no início do ano, inseridos nos projetos de verão do Governo e da Prefeitura, c/ patrocínio do banco estadual: meu chapa Diogo Lemos, o "Rato", venceu em Pirambu antes de sair fora p/ a Nova Zelândia; e o talento da nova geração Kayan Barbosa, levou a melhor na Caueira e em Aracaju.
O julgamento das etapas vem sendo outro ponto positivo, priorizando as performances que unem agressividade e fluidez. “O critério valoriza manobras fortes com controle nas partes críticas da onda de acordo c/ o que ela proporciona", conta Alexandre Mendonça, um dos juízes do quadro da FSS.
Léo Menezes relata a final da categoria open, a principal desta 1ª etapa: "O surfista Daniel Silva [foto] quebrou em toda a competição, e na final não foi diferente. Com todo o controle da prancha e executando manobras no crítico da onda, c/ várias rabetadas, Daniel venceu c/ uma somatória de 9,25. Outro grande talento do surf sergipano, Bruno Marujinho, não deixou a vitória do campeão ser fácil. Marujinho o tempo todo ficou na disputa pela primeira colocação, mas seu adversário conseguiu levar vantagem no final da bateria. Na terceira colocação ficou o baiano Dalmo Meireles, o mesmo que tem muita experiência no surf mostrou a força dos atletas baianos. Na quarta colocação ficou Kayan Barbosa, que é uma das promessas do surf local."
Os baianos compareceram em peso, mas só 1 deles venceu uma das 5 categorias disputadas: Osvaldo Júnior na mirim [até 16 anos].
Na júnior [até 18], Laelson Menezes derrotou o baiano Giucimar Silva no desempate. Na master [acima de 35], vitória de Edson Jr., o "Papagaio", e na feminino, Carine Góis [foto]venceu a baiana Priscila Gondim. Marujinho levou a expression session c/ a melhor manobra - aéreo 360 - e Gil da Barra ficou c/ o prêmio pela melhor onda - um tubo. "As ondas contribuíram p/ o show de surf no domingo, apesar do vento forte as ondas estavam lisas e c/ boas paredes, possibilitando boas manobras e até alguns tubinhos", diz Léo.
Estamos bem servidos de atletas de qualidade aqui no estado, e finalmente as competições voltam a tomar fôlego. Campeonatos são importantes p/ aumentar o nível técnico e deixar o pessoal na ponta dos cascos, mas ainda há um longo caminho a ser percorrido p/ profissionalizar o esporte em Sergipe. Caras como Valmir Neto, que já foi campeão dos circuitos pro nos estados de Pernambuco e Rio Grande do Norte, o veterano Romeu Cruz, ex-top do Super Surf, e Rafael Melo [foto],
que se profissionalizou no início deste ano, não têm como competir em casa, e só participam de eventos fora daqui. A prova disso é Marujinho, que por falta de apoio voltou ao amadorismo p/ se manter na ativa. Outros, como Diogo Lemos e Daniel Silva, não chegaram nem a se profissionalizar, apesar de terem nível e idade p/ tal.
Pra não ficar parado, Rafael, o "Galeguinho do Coque", de 22 anos, pratica yoga há 4 meses. “Eu buscava flexibilidade e fortalecimento nos músculos das pernas. Estava sentido essa necessidade no surf. Depois que comecei c/ o yoga consigo dar algumas manobras que antes eu não conseguia, como os aéreos rodando.” Só ficando muito "zen" mesmo p/ encarar o horizonte flat do surf profissional em Sergipe.