segunda-feira, março 22, 2010

BLUES ERRANTE Para muitos ele era apenas um louco”, afirma o jornalista Diego Oliveira, co-diretor do documentário Baggio Sedado, que conta a vida de José Sinval dos Santos, o ‘Baggio, um músico andarilho que perambulava nas ruas de São Cristóvão, cidade do interior de Sergipe, a 4ª mais antiga do país. Baggio andava rasgado, c/ amarrações nas pernas, brincos e pulseiras, contando histórias pelas esquinas c/ seu violão. “Para outros era a representação viva da manutenção de um espírito revolucionário na pacata cidade, um ‘punk’ interiorano, que apenas com sua resistência a ser comum contribuiu mais do que muitos artistas locais, um símbolo vivo para os garotos iniciantes no estranho mundo da cultura alternativa.
Entre esses garotos estavam o baterista Lucas Goo e o guitarrista Júlio Andrade, o Júlio ‘Dodge’ ou simplesmente ‘Julico’. No esquema 1-é-pouco-2-é-bom-3-é-demais, eles se juntaram em 2004 e formaram o duo The Baggios. “A banda é uma continuação de um sonho não alcançado por um cara simples e com idéias bem próprias e livres de quaisquer padrões”, diz Julico. Com uma pegada blues/punk, começaram a fazer shows e compor músicas, e antes mesmo de completarem 20 anos gravaram o 1º EP, em 2007. Em 2008 Júlio dirigiu em parceria c/ Diego o curta sobre José Sinval, e ano passado, lançou o 2º EP da banda, Hard Times.
Venceu 3 categorias do Prêmio Prata da Casa e caiu na estrada em 2009: participou dos festivais Rock Sertão, no interior de Sergipe, BigBands na Bahia, Mundo na Paraíba, DoSol no Rio Grande do Norte, e Perro Loco, evento de cinema universitário em Goiás. Tocou 2X no Psicodália em Santa Catarina c/ a Plástico Lunar, onde também canta e toca guitarra, e participou de 2 coletâneas: Sergipe’s Finest, do selo Disco de Barro, e Um Dia Tudo Isso Vai Fazer Sentido, pelo Loaded E-zine.
Começou 2010 tocando no Projeto Verão [foto] na mesma noite de Seu Jorge e Marcelo D2, e desde o dia 15 de março está em São Paulo gravando o 1º CD da Baggios, ao lado do novo batera Gabriel Carvalho, um moleque de 17 anos que bate forte e entrou no lugar de Elvis Boamorte. O álbum, cujo título provisório é O AZAR ME CONSOME, terá 15 faixas, 11 delas inéditas e 4 regravações das canções Pegando Um Punga, Aqui Vou Eu, Oh Cigana e Candango’s Bar, escolhidas por 250 fãs e amigos da banda numa eleição no Orkut.
As gravações aconteceram semana passada, e agora Julico e seu parceiro estão em plena Sampa Tour: 6 shows na capital e nas cidades de Bauru, Campinas, Araraquara, Vinhedo e São Carlos. O guitarrista Rafael Costello, que Júlio substituiu na Plástico, aproveitará a passagem deles p/ dirigir um clip. “As expectativas p/ esta turnê são as melhores possíveis, já que o público de lá é mais amplo pro tipo de som que nós tocamos”, disse o jovem bluesman antes de pegar a estrada: “Acreditamos na possibilidade de surgirem convites p/ festivais e também p/ um selo musical.
José Sinval, o ‘Baggio’ original, ainda está vivo em São Cristóvão. “A loucura é tratada violentamente por nossa sociedade, reservando preconceito e isolamento p/ aqueles que não foram normatizados segundo as regras sociais estabelecidas”, comenta Diego Oliveira. Julico & Gabriel, os novos ‘Baggios’, ainda têm muito chão pela frente, mas já colecionam algumas boas histórias pra contar, como o encontro c/ uma certa senhora de 80 anos e uma garota de 25 em Vitória da Conquista [BA]:
Conversa vai, conversa vem, descobrimos que estávamos lidando c/ a filha e a mãe do grande cineasta GLAUBER ROCHA. Surreal. Eu ouvindo comentários da mãe dele, ‘ah Glauber era louco, colocou cada nome estranho nas filhas’... Mas também, Ava Patria Yndia Yracema Gaitan Rocha é realmente um nome comprido pra se dar a uma filha, mesmo assim não tiro a razão dele...
Cada doido com sua mania.


Nenhum comentário: