segunda-feira, março 29, 2010

FILMANDO POR DENTRO
TEAHUPOO NA VISÃO DO ARTISTA PLÁSTICO PHIL ROBERTS

Hoje estou partindo para o Tahiti para ficar em torno de um mês”, postou Stephan Figueiredo em seu blog no dia 19.

Entrevistei o ‘Fun’ em novembro, quando ele estava de molho se recuperando de um tímpano estourado em Pipeline. Mas isso não o impediu de ser um dos destaques da temporada havaiana 2009/10, e não só entre os brasileiros: dropando as rainhas da série na mesma Pipe que estourou seu ouvido, Stephan produziu fotos que estampam o calendário oficial do North Shore e em fevereiro foi capa da revista Hardcore [de novo] entubando num estilo tão ‘soul’ que mais parecia um super-herói voando ou o Cristo ressuscitando.

Fun domina c/ naturalidade ondas c/ as quais a maioria dos mortais apenas SONHA surfar – alguns têm até pesadelos: Banzai, Waimea e Jaws no Havaí, El Gringo no Chile, e
Teahupoo no Tahiti. Esta última é tão sinistra que sua tradução p/ o português é “onda dos crânios quebrados”. Em 2000, Neco Padaratz tomou uma vaca tão medonha que deu W.O. na etapa do World Tour por 3 anos consecutivos. Nesse mesmo ano, Laird Hamilton dropou uma bomba tão cabulosa que foi chamada de “onda do milênio” e estabeleceu um novo patamar p/ o surf de ondas grandes.

Não há dúvida de que o surf profissional hoje apresenta desempenhos dinâmicos e extremos”, falou o mito Derek Hynd em entrevista a Júlio Adler na Hardcore de março: “Gosto de ver aquelas apresentações dramáticas em Teahupoo, por exemplo. O nível é incrível em situações potencialmente mortais.


Stephan Figueiredo é um desses caras que vêm puxando os limites – seus e do surf – nos últimos anos, e é, ao lado de Bruno Santos [campeão em T-poo 2008], o melhor brasileiro em ondas grandes & tubulares. Um dos melhores do mundo. “Infelizmente não consegui embarcar na semana para pegar um swell grande que chegou na quarta, mas com um pouquinho de sorte pegarei outros swells tão bons quanto esse”, escreveu antes de partir.

O principal propósito dessa trip é produzir imagens dentro d’água, seja com a câmera no capacete, na mão ou na prancha. Para essa produção levo 2 GOPRO HD e minha HD 1010”, explicou. Equipamento de gravação digital à prova d’água, traduzindo em miúdos. Nos últimos dias as ondas colaboraram um pouco por aqui e consegui produzir um material [...]. A produção é 100% Fun Enterprise”, diz o bigrider videomaker.

Confira uma seqüência de fotos feita pelo próprio na temporada polinésia passada, e seu vídeo mais recente. Ele mesmo filma e edita. Viaje c/ o Fun dentro do tubo e entenda porque o clip postado neste sábado se chama “Liberdade”...


NÃO SE ENGANE PELA PLASTICIDADE DAS IMAGENS:
ESSA ONDA QUEBRA CRÂNIOS

2 comentários:

ESPEDITO SANTOS disse...

demais cara, qdo. ele passa pelo fotografo na água é muito visual!...

Viva La Brasa disse...

pode crer, exp., esse trecho é chapado.
ah, o autor do registro que rendeu a capa do fun na hc de fevereiro é o americano mike latronic.