sábado, junho 05, 2010

RABETADAS & RAQUETADAS
ADILTON MARIANO [CE] CHUTANDO A RABETA
Começou a corrida pelos $8.000 reais, 2.000 pontos no ranking regional e mais 1.000 no nacional, p/ o campeão do Maresia Surf Pro Nordeste, 2ª etapa do Circuito ANS. “Esta etapa do Nordestino Profissional em Aracaju, que este ano distribui $30 mil em premiação, é tão importante quanto um WQS em Florianópolis ou o Circuito Paulista”, disse Daniel Bernardi, diretor de marketing da Maresia, ao site Ondulação: “O objetivo da marca é fomentar o surf através de campeonatos e se destacar como a marca que mais investe no esporte.
Não é exagero. Só este ano, a grife cearense já patrocinou 2 etapas do Circuito Mundial de acesso ao World Tour – o Maresia Surf International realizado no Ceará premiou o herói local Heitor Alves, ex-Top 45, nas marolas de Paracuru, e o outro 6* foi vencido pelo espanhol Aritz Aranburu na Praia Mole, em Floripa. Quanto à comparação da etapa sergipana em relação ao WQS, faz sentido.
A primeira vez que uma etapa do circuito brasileiro aconteceu em Sergipe foi o Banese Pro em 1998. Patrocinado pelo banco estadual, este campeonato teve final feliz: deu ao ‘local boy’ Romeu Cruz sua vitória mais importante. Derrotou na final o paulista Wagner Pupo, o carioca Alexandre Almeida e o cearense Claudemir Lima. Três anos depois, Romeu faria uma final do Super Surf e terminaria entre os Top 20 do Brasil – melhor sergipano ranqueado na história da Abrasp.
Após um hiato de 11 anos, um campeonato de peso voltou a acontecer aqui no estado: o Maresia Pro 2009, realizado na Praia do Meio e vencido pelo baiano Rudá Carvalho, de Ilhéus [foto]. Dessa vez, o melhor sergipano classificado foi Raphael Melo, c/ um modesto 9º lugar. Entre Romeu e Raphael houve Valmir Neto, campeão em Pernambuco, na Paraíba e no Rio Grande do Norte, voluntariamente afastado das competições. A falta de um circuito profissional estadual sempre impediu que nossos talentos voassem mais alto.
SURF E VIDA SEVERINAUm passo à frente e você não está mais no mesmo lugar!” A frase é de Chico Science, mas foi usada por Fábio Gouveia em sua aposentadoria das competições. Fabinho, 40 anos, é considerado o 'Maior Surfista Brasileiro de Todos os Tempos', não por sua estatura, mas pela impressionante trajetória: campeão mundial amador em 88; 1º brasileiro Top 16 do circuito mundial – onde manteve-se por 4 anos consecutivos, feito ainda não repetido por nenhum compatriota – ; 1º brasileiro Top 5 da ASP [em 92]; brasileiro c/ mais vitórias no World Tour, 4; campeão do WQS em 98; tricampeão nacional – uma vez como amador, em 87, e duas como pro, em 98 e 2005.
Casei e tive filhos cedo... A preocupação inicial transformou-se em garra e foco, pois tinha uma família para sustentar”, escreveu Fábio ‘Fabuloso’ em sua carta de despedida: “Todo o trabalho para carregá-los comigo em volta do globo era pouco diante de minha felicidade. Muitos viam aquilo como um problema, mas era uma solução para me manter vivo no Tour e, claro, para não perder tanto o crescimento e desenvolvimento de meus filhos.
O que o melhor surfista do Brasil tem em comum c/ o atual campeão nacional, o campeão mundial de ondas grandes e o melhor brasileiro no World Tour 2010? 1) São todos nordestinos. 2) São todos retirantes. O paraibano Gouveia montou sua base em Santa Catarina. O potiguar Jadson André, vencedor do Billabong Pro e 4º no ranking mundial, mora em São Paulo. O pernambucano Carlos Burle, campeão do inédito Circuito Mundial de Ondas Grandes, e o cearense Messias Félix, campeão do Circuito Brasileiro Super Surf, vivem no Rio de Janeiro. Moro no RJ, mas o título vai pro Ceará”, falou Messias ao consagrar-se na Barra da Tijuca, em novembro.
Em sua volta triunfal a Fortaleza, Félix desfilou num carro de bombeiro acompanhado por uma carreata. “Quero oferecer este título pra minha avó e pro meu pai, que já faleceram, e pra minha mãe que é uma guerreira. Perdi meu pai muito cedo, com 5 anos. Minha mãe criou 7 filhos e hoje está aí a família toda. Eles me deram muita força, porque passei quase a carreira inteira sem patrocínio, agora tenho o Pena que agradeço muito também.
OURO DA CASAMuitos patrocinadores falam: -Vai lá, faz isso, faz aquilo! O Pena não”,diz o campeão brasileiro, “sempre me deixou à vontade, sem cobrança. Isso tem dado certo.” A Abrasp e a Abril Eventos desfizeram a parceria de 10 anos, e o circuito nacional agora é o Brasil Surf, enquanto as etapas do Super Surf passaram a valer p/ o WQS. Defensor do título dos 2 circuitos, Messias largou em 5º lugar nas etapas de abertura [ambas em Ubatuba/SP], e participou como convidado da etapa do WT – correu 2 baterias contra o ídolo Kelly Slater.
Seu patrocinador também bancou a etapa inaugural do circuito nordestino 2010, que pela 1ª vez aconteceu em Fernando de Noronha. O campeão foi o baiano Bernardo Lopes: “Foi demais vencer em Noronha, sempre tive esse sonho, além do mais começar o ano com o pé direito é sempre bom.Bernardo ‘Bino’ chega em Aracaju como líder da temporada. “Estou ansioso e ao mesmo tempo sem nenhum tipo de pressão, vou só fazer o que sei, que é surfar.
No Maresia Pro 2009, Lopes pegou os melhores tubos apesar de não ter avançado muito. O favorito ao título este ano é Alan Jones, atual campeão nordestino. O local da Baía Formosa [RN] ficou em 3º na Praia do Meio ano passado, e este ano já fez a semi na prova de estréia do Brasil Tour e venceu a 1ª etapa da Seletiva Petrobras, em Imbituba [SC]. Bino é patrocinado por uma marca baiana, a Mahalo. Alan e Messias são da Pena, uma empresa cearense. Coincidência? Não. Investimento.
Os surfistas nordestinos sempre mudaram p/ o Sudeste e o Sul em busca de patrocínio e campeonatos c/ boas premiações. Aos que ficavam, restava uma carreira limitada e sem grandes perspectivas. Leonardo Menezes, presidente da Federação Sergipana de Surf, garante que as coisas estão mudando: “Algumas das maiores marcas do Brasil são nordestinas: Maresia, Pena, Greenish, Smolder, Teccel, entre outras. O Circuito Nordestino Pro é o maior regional do mundo, dá a melhor premiação – 9 etapas c/ R$ 30 mil de premiação cada uma. Sem falar no Circuito Cearense Pro, que dá 15 a 20 mil por etapa.
SHOW DE BOLA
Aracaju bate um bolão. É uma cidade planejada, bem-cuidada, entrecortada por rios e manguezais. Existem os problemas urbanos comuns a qualquer capital, mas ainda estamos distantes do caos das metrópoles. No litoral, o horizonte é pontilhado de plataformas de petróleo. Não temos as melhores ondas, mas talvez as melhores mulheres. Como se fosse pouco, “a água aqui é quente e o clima é bom”, lembra Léo.
Em 2009 o Maresia Pro bombou, tanto no mar quanto na areia. A previsão p/ este ano é de boas condições p/ as finais. “Segundo as previsões”, diz o jornalista especializado Jocildo Andrade, “o mar deverá sofrer uma boa reagida durante o evento. Os gráficos mostram boas ondas para o período da competição, garantindo o sucesso dos embates.
Mesmo que Netuno não dê as caras, a viagem já terá valido a pena p/ os profissionais que vieram um busca dos pontos. Afinal, eles não precisam mais sair de casa p/ competir num circuito forte, que paga bem. E, mesmo que eventualmente percam suas respectivas disputas, sempre dá p/ curtir a curtir a praia, comer um caranguejo e, c/ alguma sorte, até jogar um frescobol...
Do nosso lado, faço uma fé no surf zen do meu amigo Raphael [foto], vencedor do único campeonato PRO realizado no estado em 2010, o Verão Sergipe. ‘Galego’ pratica yoga, voa na água e namora a loirinha aí de cima, Coralina Silva. Campeão. Mas dobro minha aposta no azarão Davi Teles, 21 anos, que levou a 1ª etapa do sergipano amador open há menos de 1 mês c/ um repertório explosivo de tailslides 180 e air reverses. Se chegar até amanhã, o local de Pirambu [SE] pode surpreender c/ uma vitória à la Jadson, cheia de aéreos.
GALERIA DE CAMPEÕES
MESSIAS FÉLIX [CE], CAMPEÃO BRASILEIRO E DO SUPER SURF
ALAN JONES [RN], ATUAL CAMPEÃO NORDESTINO PRO
HEITOR ALVES [CE], CAMPEÃO DA 1ª ETAPA DO WQS 2010
BINO LOPES [BA], CAMPEÃO DA ANS NAS ONDAS DE NORONHA
O AMADOR DAVI TELES [SE] É A APOSTA DO VIVA LA BRASA
O QUE É QUE A SERGIPANA TEM? UM NAMORADO MARCANDO EM CIMA

FOTOS: CLEMENTE COUTINHO, DANIEL SMORIGO, FABRICIANO JÚNIOR E RODRIGO MESQUITA

2 comentários:

Anônimo disse...

A cobertura desse campeonato melhora a cada ano que passa... as sergipanas também estão cada vez melhores ... saudades da terrinha. EXP

Danilo Mecenas disse...

Bom texto brother! =D
Apesar do vento forte e do mar mexido, o campeonato foi irado.
Abração man.