sexta-feira, outubro 01, 2010

NÓS NA FITA 
BOB MARLEY MEETS BIG LEBOWSKI

O brasileiro Vik Muniz ficou famoso por transformar qualquer material em réplicas de obras de arte – macarrão c/ molho vira Caravaggio, a Mona Lisa é de chocolate, e a abertura da novela das 8 é puro lixo. Ele não está sozinho nessa onda de reciclagem.

Nos EUA, a artista Erika Iris Simmons, a Iri5, encontrou um fim digno p/ as velhas & aposentadas fitas k7. O “compact cassete” é um padrão de fita de áudio inventado pela empresa holandesa Philips e lançado em 1963. Uma fita magnética presa em 2 carretéis dentro de uma caixinha de plástico.

As fitinhas foram as precursoras da pirataria, muito antes do CD, DVD, MP3... E as preferidas de caminhoneiros & taxistas – pela praticidade – e de peões de obra & empregadas domésticas – pelo preço. Medindo 10x7cm, podiam ser guardadas no bolso. Mas a era digital acabou c/ elas.

Iri5 trabalha c/ materiais descartados, de cartões de crédito a bolas de beisebol. Mas a série que a tornou conhecida mundialmente é a GHOST IN THE MACHINE, que retrata celebridades do cinema e principalmente da música angloamericana c/ fita & cola, como as telas do Jimi no último post e o Travis Bickle c/ rolo 35mm em Vales de Netuno.

Eu me sinto bem trabalhando c/ materiais velhos, estranhos. Coisas que têm vida própria. Quase tudo que eu uso foi jogado fora ou doado. O passado é o melhor, tem algumas das coisas mais finas do mundo”, diz Iris.

Outro gringo que também frita na fita é o escultor Brian Dettmer. Ele criou uma série de esqueletos c/ caixas derretidas de gravações do Clash, Police, Mötley Crüe... Em 2008, as caveiras de Dettmer foram expostas no Museu Internacional de Ciência Cirúrgica.

Aqui no Brasil, o único uso que conseguimos dar a nossos K7s foi o famoso ‘chá de fita’.  Basicamente, um chá de chumbo, mercúrio e outros metais mais pesados que o Slayer. Ferve-se uma fita na água e bebe-se, açúcar a gosto. “Fiz um c/ VHS e vi o filme passar na minha cabeça umas 5 vezes, huahuahuahuahuaha”, revela um drogado anônimo que eu conheço.

Fazer arte que nem Iri5 & Brian, ninguém quer. Nem o Vik Muniz. 

BE KIND, REWIND
 BOB, DESTA VEZ C/ SANTANA: "WE'RE JAMMIN', JAMMIN'..."
EINSTEIN BABANDO POR BETTY PAGE
 HITCHCOCK & MARYLIN, FINALMENTE JUNTOS
THE CURE x THE CLASH: LONDON CRYING
 BEATLES, ABBEY ROAD
 NIRVANA, NEVERMIND
 
 THE MISEDUCATION OF LAURYN HILL
ACIMA E ABAIXO, OS ESQUELETOS DE BRIAN DETTMER
"MY HUMPS, MY HUMPS, MY LOVELY LITTLE HUMPS"
PELO MENOS P/ ALGUMA COISA SERVE O MÖTLEY CRÜE

Nenhum comentário: