sexta-feira, novembro 26, 2010

UMA ONDA, UMA BUNDA



O que é melhor, surf ou sexo?

Por mais idiota que possa parecer, essa é uma questão que sempre afligiu os surfistas. Provavelmente porque até 10, 20 anos atrás era preciso se isolar da civilização – incluindo as mulheres – p/ descobrir novos picos, em matas fechadas no Brasil ou ilhas virgens na Indonésia. Eu nunca tive dúvida. Se tiver que escolher, posso passar o resto da vida sem surfar.

Mas eu prefiro ter as duas coisas, por que não? Os irmãos Fernando & Santiago Aguerre também pensam assim, e no final dos anos 80 montaram uma companhia de sandálias c/ o único propósito de sustentar seu 'life style': pegar onda e mulher. Argentinos que se iniciaram no surf nos anos 70, mudaram p/ La Jolla, Califórnia, e começaram seu negócio c/ apenas $4000 dólares.

Apoiando garotos que se tornariam ícones nos anos 90 e 2000, como o pipe master Rob Machado e o bicampeão mundial Mick Fanning, a REEF Brazil logo se tornou a marca de chinelos favorita da surfistada – mais especificamente o público masculino. Seus anúncios sempre traziam a foto de um surfista em ação ao lado de um belo ‘derriére’. O rosto da modelo nunca aparecia, só o 1º nome da gata.

Sexista?”, pergunta a revista Transworld Surf: “De jeito nenhum. Eles só estão tentando capturar o verdadeiro espírito da cultura surf que existe nas praias ao redor do mundo. Que o resto da indústria parece ter esquecido.” A ‘trademark’ de ‘los hermanos’ tornou-se uma multinacional e entrou p/ o ramo das roupas.

Hoje a REEF é a única grife latina entre as líderes mundiais na moda surf. “Nosso objetivo é permanecer liderando o mercado de sandálias e incrementar nosso negócio com as bermudas”, diz Fernando Aguerre. “Eu vendo em 100 países diferentes, incluindo Israel, Argentina, Brasil, Alemanha e Polônia. EUA de costa a costa, Espanha, Itália, África do Sul, Tahiti... Diga o nome de um país que eu vendo lá.

O marketing nunca mudou: uma onda, uma bunda. “Pergunte ao Hugh Hefner se deveríamos mudar. Pra mim sexo é um componente muito importante da vida. Eu sou latino e tive uma educação católica, um ambiente diferente dos EUA. A cultura americana tem ideais diferentes. Sexo é quase obscuro. Violência é quase melhor que sexo. Você vê muito mais violência do que sexo nos filmes.

Há 2 tipos de mulher no mundo”, diz Aguerre. “Existe um pequeno grupo de mulheres que vivem na América que podem achar nossos anúncios  ofensivos ou de mau gosto. E existe uma vasta maioria de mulheres ao redor do mundo que não se importa. Eu não estou colocando uma garota lá dizendo ‘Me Coma’. Nós não somos a Black Flys.

Haha! C/ seu estilo bonachão de ‘bon vivant’ curtidor, Aguerre também é um administrador competente e empresário tenaz. Em menos de 2 décadas aumentou exponencialmente o capital de sua empresa e durante 4 anos presidiu a ISA, associação internacional de surf ligada ao Comitê Olímpico. Realizou o Reef@Todos, a 1ª Copa do Mundo de ondas grandes em 1998, evento histórico vencido pelo brasileiro Carlos Burle nas morras geladas de Todos Santos, no México; vários ISA Games, competições júnior c/ amadores de todo planeta; e caiu na real.

 “Como presidente da ISA, eu percebi que esta é uma indústria egoísta”, disse na entrevista à TWS: “A natureza do nosso esporte é egoísta. ‘ESTA ONDA É MINHA!’, ‘Nós não queremos você aqui’... Quanto menos gente, melhor. Então a gente tem que decidir que porra nós queremos. Se quisermos crescer como uma indústria, ok, então vamos trabalhar para limpar os oceanos.

Mas não pensem que o peça-rara se emendou, ou que a Reef vai perder seu ‘approach’ e desviar de seu ‘target’ [só p/ usar alguns jargões que os publicitários metidos a besta adoram falar]. Nos últimos anos a marca criou uma linha de sandálias femininas e assinou c/ a musa Alana Blanchard – a surfista mais bonita do mundo – , desenvolveu um modelo de chinelo c/ um abridor de garrafas embutido na sola – assinado pelo Fanning – e no último fim de semana realizou o 1º World Miss Reef.

Concursos de miss biquini são um clássico em campeonatos de surf  que se prezem – aqui no Brasil costumam ser mais interessantes que a competição na água. O Miss Reef internacional aconteceu nas areias do Ali’i Beach Park no Havaí, um evento à parte dentro da programação do Hawaiian Pro vencido pelo Joel Parkinson. A novidade aqui é que nunca houve um no estilo Miss Universo, c/ as tops gatas de praia vencedoras de seletivas em seus respectivos países.

11 sereias de nações tão diferentes como Barbados, Indonésia e Holanda desfilaram p/ os jurados Dean Morrison, Mike Losness, Parker Coffin e o cabeleira Machado. Em jogo, $10000 dólares p/ as 3 primeiras colocadas. A América Latina dominou a cena, c/ a Miss Argentina Natalia Baccino em 3º lugar levando U$2000, a Miss Peru Vanessa Tello em 2º c/ U$3000, e Betzaida Herrera do Panamá garantindo a faixa, os U$5000 e sua presença no Calendário Reef 2012, objeto de fetiche similar ao da Pirelli p/ o meio do surf.

Revistas como Seventeen, Teen e Mademoiselle glorificam a juventude e a beleza. Nos catálogos da Victoria's Secret os peitos das modelos parecem querer saltar para fora da lingerie“, conclui Fernando. O maior desafio da indústria é se renovar. O nosso problema é que nós somos um nicho de mercado. O mainstream está mirando em nossa direção, mas para onde vamos?

Algumas coisas não mudam nunca.

RIDICULOUSLY COMFORTABLE
MAIS QUE UM ESPORTE, UM ESTILO DE VIDA
ALANA BLANCHARD, RIDICULAMENTE CONFORTÁVEL
O CALENDÁRIO REEF 2010 FOI FEITO NO NORDESTE
                                                              
WORLD MISS REEF 2010
SERÁ QUE ELAS JÁ LERAM 'O PEQUENO PRINCIPE'?





4 comentários:

Kátia disse...

Carinha,gosto muito dos seus textos.Mesmo quando fala de uma marca machista como essa consegue fazer de um jeito engraçado e interessante.Parabéns. :P KF

SK8 REC disse...

a Reef tbm patrocina varios skatistas, Biano,Mineirinho,Otávio Neto..http://www.otavioneto.com/blog/?p=267

Morrendo lentamente disse...

como diria um amigo "que locura"

fabio" binho "nunes disse...

Boa combinação né Brasa!!!!!!


abraxxxx