segunda-feira, março 28, 2011

BRUNA SURFISTINHA

NÃO ACEITE IMITAÇÕES
*****
Entrei na prostituição porque eu queria unir o útil ao agradável”, disse Raquel Pacheco, 26 anos, no programa de Marília Gabriela na GNT, dia 20 de fevereiro. “Queria ganhar dinheiro e gostava de fazer sexo. É uma difícil vida fácil.

Raquel é uma falsa loira que fugiu de casa aos 17 p/ fazer a vida na profissão mais antiga do mundo. Sob o pseudônimo Bruna Surfistinha, criou um blog em que relatava seus encontros e dava notas aos clientes, tudo num estilo Confissões de Adolescente.  “Usei cocaína e maconha. Por causa da cocaína, o dinheiro que eu ganhava ia todo embora. Parei de usar, e na ausência da droga criei o blog.” O Não, Não Para... recebia 10 mil visitas mensais e ela atendia 3 clientes por dia.

Muito antes de Maria Bethânia, Bruna Surfistinha já lucrava c/ a internet. Em 2005 sua história é contada no livro O DOCE VENENO DO ESCORPIÃO - O Diário de Uma Garota de Programa, escrito por Jorge Tarquini. Best-seller c/ 140 mil exemplares vendidos no ano de lançamento.  “Transas enlouquecidas, surubas, muitos homens (e mulheres) diferentes por dia, noites quase sem fim”, dizia Bruna. “O que pode ser excitante para muitas garotas como eu, na efervescência dos vinte anos, para mim é rotina. É meu dia-a-dia de labuta.

Agora seus tempos de labuta viraram filme, dirigido por Marcus Baldini e estrelado por Deborah Secco, c/ orçamento de R$ 4 milhões – captados por meio de renúncia fiscal aprovada pelo Ministério da Cultura. Perfeita p/ o papel, Secco seminua já atraiu 2 milhões de espectadores ao cinema, e em 1 mês de exibição a película rendeu R$ 18 milhões. Melhor p/ a Raquel, que em 2006 recebeu apenas R$ 500 p/ estrelar o DVD pornô 3X com Bruna Surfistinha.

Mas surfistinha mesmo é a Bruna Schmitz, paranaense de Matinhos, 20 anos e 1,65m de altura. Surfista profissional, ela é uma das melhores do mundo em cima de uma prancha: campeã sulamericana pro-jr. aos 14 anos, 3ª colocada no mundial sub-16, campeã de uma etapa do WQS e classificada p/ o World Tour aos 18. Bruninha é uma loira natural, descendente de alemães, que saiu de casa p/ fazer um surf em sua primeira viagem internacional – Equador – aos 12 anos.

A partir daí não parou mais. Peru, EUA, Caribe, Havaí, Taiti, África, Europa, Ásia, Oceania... Apesar de não ter ido bem em seu ano de estréia entre as Tops, terminando em 15º lugar na ASP e perdendo sua vaga na elite, foi eleita uma das 3 mais belas na lista das Hot 100 da revista Surfer. Patrocinada pela marca americana Roxy, é a 1ª atleta brasileira convidada a posar p/ a Swimsuit Issue da Sports Illustrated, maior revista esportiva que existe.

A edição anual da Swinsuit traz Schmitz de biquini em momentos sensuais registrados por Stephan Wurth em Banff, Canadá. Publicado em fevereiro, o ensaio fotográfico gerou comparações inevitáveis c/ sua xará famosa no Brasil. “As pessoas zoavam, mas foi passageiro”, diz Bruna, que há anos namora o francês Jeremy Flores, atual campeão do Pipe Masters e top 10 do WT. “A história dela não tem nada a ver c/ a minha vida. No começo o pessoal me zoava por causa do nome, mas foi ela que escolheu o meu nome. O que eu posso fazer?

Competindo nas etapas de abertura do mundial na Austrália, ela avisou à revista Época e ao site iG Jovem que ainda não viu o filme. “Uma amiga tinha o livro e eu comecei a ler, mas não acabei. Se me disserem que o filme é bom, eu vou querer assistir.” C/ vocês, um ménage à trois c/ a verdadeira Bruna surfista: duas entrevistas em um só blog. Depois de tanto tempo falando de feiura – Bethânia, MinC, Kadafi, Tsunami, Los Hermanos – já estava na hora de mostrar alguma coisa bonita. Viva La Bruna!

ÉPOCA - Você foi eleita umas das atletas mais bonitas da Sports Illustrated. Como encarou isso?
BRUNA SCHMITZ - Não fazia idéia de que revista era essa, nunca achei que seria algo tão grande. Quando comecei a perguntar e pesquisar, fiquei até com medo, pensei: ‘Por que eu? Onde me encontraram?’, essas coisas... Fui até o Canadá sozinha e estava muito nervosa, não sabia como iria ser. Foi uma experiência incrível fazer parte dessa edição. A revista é super profissional, e você pode mostrar o que é. Não pedem para você fazer nada, simplesmente ser você mesma.

ÉP - Como eles chegaram até você?
BS - Eles entraram em contato com a Roxy, depois de terem me achado no Google.

ÉP - Você começou cedo, aos 10 anos. Por que escolheu o surf?
BS - Meu irmão já surfava, e eu não entendia muito do esporte, não sabia como era, até que um dia ele decidiu inscrever minha irmã, minhas amigas e eu pra fazer aulas de surf. Assim que comecei já amei o esporte, me identifiquei e levei adiante.

ÉP - Você está conversando comigo da Austrália. Quanto tempo fica no Brasil e quanto tempo passa viajando?
BS - Estou aqui para o começo da temporada, as competições sempre começam na Austrália, então venho e fico normalmente 2 meses. É difícil passar muito tempo em casa, a agenda de competições é super corrida, às vezes volto para passar 2 dias em casa, mas no máximo 10 a 15 dias.

ÉP - Com essa vida corrida, consegue namorar?
BS - Sim, viajo com meu namorado Jeremy, ele também compete, então nos vemos bastante.

ÉP - E a família, como é essa relação? Você mora com seus pais ainda?
BS - Sim, meu quartinho ainda fica lá, adoro minha família. Meus irmãos já não moram mais com a gente, então quando volto pra casa minha mãe me mima bastante.

ÉP - Qual é a preparação e a rotina de uma surfista profissional?
BS - Não é tão complicada. O mais importante é sempre surfar, não importa as condições, quanto mais surfar, mais evolui. É preciso cuidar da alimentação, sempre hidratar o corpo e repor as energias. O mar suga isso tudo.

ÉP - Atualmente está em que lugar no ranking?
BS - 25º. Para ficar na elite, tenho que ficar entre as 10. Neste ano vou brigar pra entrar novamente.

ÉP - Ainda não existe uma cultura forte de mulheres surfistas no Brasil, como vê isso?
BS - É, não é muito comum, mas já somos muitas e esse número cresce a cada dia. Acho que daqui a alguns anos já vai ser bem popular.

IG JOVEM - Para mesclar esporte, estudos, família e amigos, como você fazia?
BS - No começo minha mãe ia até a escola, conversava com os professores e todos sempre me apoiavam. Isso quando as viagens eram mais no Brasil. Depois começou a complicar para conciliar. As etapas internacionais apareceram e eu achei que não ia conseguir. No fim deu tudo certo. Mas faz uns anos que não passo natal em casa por conta da temporada havaiana; aniversários das pessoas, perdi um monte. Mas conquistei amigos no surf e, mesmo não sendo a família, já ajuda.

IGJ - E nessas viagens, como foi adaptar alimentação e idioma?
BS - Inglês eu sempre fiz desde pequena. O problema é que, quando viajei para o Havaí, eu vi que não era nada daquilo. As pessoas não te entendem. No começo passei muito perrengue. Sentia vergonha para conversar. Aos poucos fui melhorando. Quando entrei no tour, eu tinha que me comunicar. Quem me deu uma força foi meu namorado. Ele é francês, mas fala português e inglês. Me encorajou a arriscar mais. Para comer foi mais fácil. Nunca fui de comer besteira. Sinto falta é da comida da mamãe [risos].

IGJ - A surfista de ondas grandes Maya Gabeira comentou que se prepara fisicamente com personal trainer e ioga. E você?
BS - Ela pega ondas gigantes. Tem que ter um preparo especial. Eu procuro alimentos que me dêem energia. Meu preparo está na alimentação e, claro, no surf. O mar por si só já condiciona, porque passamos horas surfando.

IGJ - Na busca pela onda perfeita, viveu alguma história bizarra?
BS - Uma recente foi ano passado, em Sunset, no Havaí. Lá você tem que preparar as maiores pranchas para a competição. O mar é forte. Numa bateria, uma menina hesitou para pegar a onda e eu acabei entrando errado na série e fui arremessada. Quebrei a prancha no meio. Parei no meio da espuma, tomando água na cabeça sem parar e, pelas regras do campeonato, eu estaria eliminada se o jet ski me socorresse – e eu não queria ser eliminada. Para buscar outra prancha foi um apuro [risos].

IGJ - Dos lugares que conheceu, quais os mais marcantes?
BS - Bali, na Indonésia. A Austrália, que tem vários lugares legais... O próprio Brasil tem praias lindas... O pôr-do-sol roxo e laranja de Sunset... Mas um lugar que tem altas ondas e é muito bonito é a Nova Caledônia, onde meu namorado tem casa. Uma ilha na Oceania. É maravilhoso. Você vê corais coloridos na maioria das praias. É incrível.

IGJ - E esse lado da beleza? Você tem trabalhos publicitários, é considerada uma das mais belas do surf – isso atrapalha? O namorado é ciumento?
BS - Não. Meu namorado é super tranqüilo. A gente curte ficar em casa, nos entendemos bem. Ele também tem trabalhos iguais, então levamos isso numa boa. Claro, gosto de me cuidar, ter atenção com o cabelo e com a pele. Passo boa parte do meu tempo no mar. Exige um cuidado.

IGJ - Como você analisa sua trajetória? Dá para dizer que você já chegou lá?
BS - Não planejei nada. Cheguei por acaso e simplesmente gostei. Ainda não dá pra dizer que sou bem-sucedida. Ganhar para isso é ótimo, mas não pretendo ser surfista profissional o resto da vida. Quero fazer uma faculdade, talvez moda.

IGJ - E a relação com a internet e com a música?
BS - Curto. Amo meu blackberry. Nele toca de tudo. Mas quem eu tenho escutado bastante ultimamente é a Beyoncé. A voz dela é demais. Internet eu encaro mais como uma facilidade, para falar com a minha família e não encarecer a conta do telefone, né? Gosto do Twitter também. O meu é @schmitzbruninha.

VIVA LA BRUNA
DEBORAH SECCO NO PAPEL DA SUA VIDA
CENAS DO FILME 'BRUNA SURFISTINHA'
BRUNA SCHMITZ, ESSA SURFA MESMO
VERTICALIZANDO EM ROCKY POINT...
...E ENCARANDO SUNSET, NO HAVAÍ
BRUNINHA TEM UM BELO BACKSIDE
COMPETINDO NO WWT EM PORTUGAL...
...E SURFANDO LIVRE NA NOVA CALEDÔNIA
CAMPANHA PUBLICITÁRIA DA ROXY
1ª BRASILEIRA NA SWINSUIT ISSUE...
...EDIÇÃO ANUAL DA SPORTS ILLUSTRATED
AO LADO DE KATE UPTON E GENEVIEVE MORTON,
NO LANÇAMENTO DA REVISTA NA CALIFÓRNIA



2 comentários:

Espedito disse...

Que beleza! Deu ate vontade de surfar...

Unica Arte disse...

viva la bruna!!
kkkkkkkkkk

é isso bixo
blog irado mesmo!!
parabêns

é noixxx
Abrcs