quinta-feira, março 17, 2011

TSUNAMI
ACIMA, A GRANDE ONDA DE KANAGAWA, ABAIXO, GODZILLA NA GOLD COAST
Uma onda gigante de mais de 10 metros afogou 26.000 pessoas na província de Sanriku, no Japão. O ano era 1896. Na última sexta-feira, 11/03/2011, um novo tsunami arrasou 10 das 47 províncias japonesas. Estima-se que o número de mortos chegue a 10.000. A província de Miyagi foi a mais afetada: as cidades de Sendai, Kesennuma e Higashimatsubara viraram destroços, e 2.000 corpos foram encontrados nas praias de Ishinomaki e Minamisanriku. Na província de Iwate, a cidade de Rikuzentakata quase foi varrida do mapa. Meio milhão de pessoas não tem abrigo. Falta água, comida, combustível e eletricidade. E os problemas apenas começaram.

Na usina nuclear de Fukushima, 3 reatores explodiram durante as intervenções p/ manter o resfriamento do sistema. A queda na rede elétrica superaqueceu as barras, que derreteram como velas. O contato c/ o hidrogênio causou a explosão. A radiação emitida em 3 horas equivale ao que o corpo humano aguenta em um mês. A região foi esvaziada, recomenda-se distância mínima de 30 km do local do acidente. A Autoridade Francesa de Segurança Nuclear classificou o perigo de contaminação por radiação como nível 6 – só perde p/ o nível 7 de Chernobyl em 1986.

É a crise mais grave desde o fim da 2ª Guerra Mundial”, admitiu o primeiro-ministro Naoto Kan. A coisa tá tão feia que até o imperador Akihito foi à TV se solidarizar c/ a população à qual ele raramente se dirige: “Estou profundamente preocupado com a natureza imprevisível da situação na central nuclear de Fukushima. Rezo pela segurança do maior número possível de pessoas.” Ele reconheceu que “o número de mortos aumenta dia-a-dia” e disse que espera sinceramente “que possamos impedir que a situação piore graças aos esforços de todos os que participam nas tarefas de socorro”.

Os efeitos já são sentidos na economia. Os prejuízos materiais contabilizados até agora chegam aos $100 bilhões de dólares. As empresas de seguro terão que desembolsar $35 bilhões. A bolsa de Tóquio despencou 10,55%, maior queda desde a falência do Lehman Brothers em 2008. Em conseqüência, as bolsas de Paris e Londres registraram a maior baixa desde dezembro. Na segunda-feira, o banco central do Japão injetou no mercado ¥15 trilhões de ienes, equivalentes a $181 bilhões de dólares, a maior quantia de liquidez da história, depois de ter destinado ¥55 bilhões de ienes p/ as áreas afetadas.

Um novo tremor voltou a atingir o país na terça. Dessa vez os abalos atingiram 6 graus na escala Richter, danficando alguns prédios mas sem deixar vítimas. Os japoneses são o povo mais preparado p/ terremotos e tsunamis. “Localizado no Círculo de Fogo do Pacífico, há 80 vulcões ativos no país e os sismos são muito comuns, ocorrendo mil deles sensíveis por ano”, ensina a Wikipedia: “A enorme quantidade de vulcões mostra que nas profundezas do arquipélago o solo é instável e cheio de energia. Isso faz com que o país esteja entre os que mais registram terremotos no mundo.

O tsunami [津波] de sexta foi provocado por um terremoto em alto-mar que atingiu 8.9 graus – 8 mil vezes mais forte do que o tremor que destruiu Christchurch na Nova Zelândia em fevereiro. Foi o maior abalo sísmico em solo japonês nos últimos 140 anos, e o sétimo maior registrado. Ou talvez o oitavo. Dois dias antes, na quarta-feira 09/03, o surfista Kelly Slater atingia a Gold Coast da Austrália c/ o impacto de 10 graus na escala Richter.

Detentor de 10 campeonatos mundiais e defensor do título, Slater segue como uma força da natureza atropelando a 4ª geração de adversários. A vitória no Quiksilver Pro, etapa de abertura do circuito mundial, foi sua 46ª na 1ª divisão. Um monstro. P/ chegar a mais uma final, apresentou todo seu leque de manobras: “Floaters despencando do lip, emendando batidas, rasgadas e laybacks jogando muita água”, relata João Carvalho, da ASP South America.

Na decisão contra Taj Burrow, “Kelly Slater abriu a bateria com um aéreo, depois foi variando rasgadas, batidas, achando até um tubinho para começar a final com nota 5. A condição estava difícil e depois de várias ondas ruins pegas pelos dois, Slater pega uma direita pequena, mas abrindo para ele aplicar uma sequência de manobras modernas que renderam 5,27 pontos. Burrow precisava de 7,27 pontos, mas dessa vez os juízes não deram a virada como no duelo de resultado polêmico contra Adriano de Souza.

O melhor brasileiro na competição foi o estreante Alejo Muniz, de Santa Catarina, que mandou Taj e Joel Parkinson p/ a repescagem na 3ª fase, venceu a Expression Session, foi eleito Rookie of the Year pela ASP e terminou em 5º lugar, garantindo $13.750 dólares e 5.200 pontos no ranking. Por sua vez, KS10 embolsou US$ 75.000 pela vitória e larga na frente do World Tour 2011, embora não garanta presença nos próximos eventos.

Aos 39 anos, Slater não tem mais nada a provar depois de quebrar todos os recordes do esporte e ficar milionário. O que o faz seguir em frente? O americano Shea Lopez, que cobre o Tour p/ a Surfer Magazine, busca uma explicação arquetípica p/ a longevidade e domínio do careca da Flórida no surf de alta performance: “Kelly estava destinado ao sucesso desde o berço. De famílias da Irlanda e Síria, em algum lugar no passado existiu um parente que carregou a carga genética para seu biotipo atlético perfeito para o surf.

Júlio Adler acompanha o mundial p/ a revista Hardcore e tem outra teoria: “10 de agosto de 2010 fomos surpreendidos com a notícia da volta do Rio de Janeiro ao World Tour, quinhentos mil dólares de premiação. 26 de janeiro de 2011, ASP e Quiksilver anunciam evento de um milhão de dólares em Nova Iorque. O mais curioso é que em 2011, ano mais rico e cheio de mudanças da ASP, teremos as etapas mais bem pagas em ondas que não se aproximam em nada do Dream Tour. Nada de Indonésia, México ou Maldivas no calendário. Tá claro agora pra quem a banda toca?

A Quiksilver é uma das 3 gigantes da moda surf. Seu logotipo é uma estilização da xilogravura A Grande Onda de Kanagawa, de Katsushika Hokusai. Kelly Slater é patrocinado pela marca há 20 anos. Já venceu tanto e está tão acima dos demais que sua presença no Tour começa a causar um desequilíbrio natural. Suas últimas vitórias foram precedidas ou sucedidas por grandes tragédias. Ano passado, venceu a penúltima etapa – que lhe garantiu o 10º título – na mesma semana em que Andy Irons morreu. Desta vez, 2 dias após sua vitória na Austrália, a terra treme no Japão, gerando uma onda gigante e ocasionando um acidente nuclear.

A resultante de determinado cálculo quando passa a ser dado numérico de outro (e assim por diante), influi em seu resultado”, formulou Edward Lorenz, autor do conceito de Efeito Borboleta, um componente da Teoria do Caos, cujos cálculos são utilizados p/ estudar de fenômenos meteorológicos a variações no mercado financeiro, e até movimentos de placas tectônicas.

Se o bater de asas de uma borboleta pode até provocar um tufão do outro lado do mundo, o que a paquidérmica influência de Slater é capaz de causar? O que pode acontecer se continuar a vencer? Jordy Smith terá uma crise de choro e cometerá suicídio? Kadafi vencerá na Líbia e liderará a Nova Ordem Mundial? Quanto ao terremoto, ele pediu doações pelo Twitter p/ a Cruz Vermelha e a ONG Waves for Water.

Único país bombardeado por armas atômicas até hoje, agora o Japão teme um novo desastre nuclear. Nos anos 60, quando o trauma das bombas de Hiroshima e Nagazaki ainda era recente, as primeiras séries de ficção científica a fazer sucesso na TV japonesa foram dois monstros resultantes de mutação genética que vinham do mar p/ destruir Tóquio.

Gamera & Godzilla eram o tsunami e a ameaça atômica personificados. A xilo A Grande Onda..., da década de 1830, já retratava um mar tempestuoso c/ ondas tão grandes que engoliam barcos inteiros. A obra de Hokusai, primeira da série 富嶽三十六景 [Trinta e Seis Vistas do Monte Fuji], é a ilustração japonesa mais reproduzida mundo afora.

São arquétipos, “substratos psíquicos comuns de natureza suprapessoal” segundo o psiquiatra Carl Jung. Na última sexta, os piores pesadelos nipônicos viraram realidade, enquanto o monstro Slater, gênio do surf e mestre do mind game“, segue seu curso anormal devastando carreiras e reputações. E aumentando sua cotação na bolsa. Diria o físico francês Laplace:

Uma inteligência conhecendo todas as variáveis universais em determinado momento, poderia compor numa só fórmula matemática a unificação de todos os movimentos do Universo. Consequentemente deixariam de existir para esta inteligência o passado e o futuro, pois aos seus olhos os eventos seriam resultantes do momento presente.

EFEITO BORBOLETA
ALEJO MUNIZ, O ESTREANTE DO ANO
HEITOR ALVES VENCEU 4 WQS EM 2010
SILVANA LIMA É A MENINA QUE MAIS VOA
TAJ BURROW BARROU MINEIRINHO...
MAS NÃO FOI PÁREO P/ SLATER
SURFANDO NO MAR DE GENTE

A GRANDE ONDA
LISBOA, 1755: TERREMOTO E TSUNAMI
JAPÃO, 2011: PERFEIÇÃO DESTRUIDORA
FUMAÇA NA ÁGUA, FOGO NO CÉU
CIDADES INTEIRAS ARRASADAS...
...E NEVE RADIATIVA EM SENDAI
MAIOR CRISE DESDE A 2ª GUERRA




FONTES: AFP, ASP, EFE, IG, G1, FOLHA, ESTADÃO, GOOGLE, REUTERS, TERRA, WIKIPEDIA, HARDCORE, SURFER MAG, SWELL.NET

Nenhum comentário: