sábado, junho 18, 2011


CHAPA QUENTE
Tarja Preta é um coletivo que existe desde 2001 produzindo animações, curtas-metragens e eventos no Rio de Janeiro. A revista surgiu dois anos depois, e há oito funciona como uma cooperativa de cartunistas underground – Adão, Allan Sieber, Arnaldo Branco, Chiquinha, Dúnia, Fábio Zimbres, Guazelli, Goose, Leonardo, Jaca, MZK, Schiavon, Sylvio Ayala... Ao todo 60 desenhistas, jornalistas e músicos já passaram pelas páginas de papel-jornal nas 6 edições lançadas. Até eu.

O bonde dos fumetas sem freio da Tarja Preta sempre foi super-antenado e descoladex com as maravilhas do mundo moderno, desde a primeira edição nunca faltou piada sobre Orkut, Facebook, ‘relationship status’ e o escambau”, diz o CEO Matias Maxx. Sintonizado em sistemas colaborativos, ele bolou um esquema p/ viabilizar a 7ª edição: o financiamento por crowdfunding. Pela internet, o(a) leitor(a) pode investir qualquer valor a partir de R$ 5,00 e unir-se ao projeto da revista, c/ direito a recompensas.

O ‘financiamento pela multidão’ [tradução literal de ‘crowdfunding’] é a mais forte tendência na nova onda de compras coletivas. Você apresenta sua idéia numa plataforma on-line informando o capital necessário p/ a realização, e quem se interessar doa dinheiro p/ o projeto. Se a quantia não for alcançada, os apoiadores recebem tudo de volta. “Este modelo dá poder para os consumidores e os transforma em produtores”, explica o webdesigner Felipe Matos. “É um movimento que começa no Linux e que está por trás de outros serviços de sucesso, como a Wikipedia e o YouTube.

Nos EUA, o site Kickstarter já arrecadou mais de US$ 30 milhões em recursos, soma dos 380 mil projetos tornados possíveis graças à colaboração mútua em torno de objetivos específicos – algumas iniciativas chegaram a receber $ 100 mil dólares. No Brasil, o pioneiro Queremos realizou os shows de Mike Snow e Belle & Sebastian no Rio após campanhas virtuais. O rapper carioca BNegão e a banda Autoramas estão vendendo cotas de R$ 40 pelo Mobsocial p/ fazerem um show juntos. Se a bilheteria superar os R$ 10.000 necessários, haverá reembolso do valor excedente.

P/ a próxima Tarja, o site escolhido foi o Incentivador. “Você só precisa se logar no site com sua conta do Google ou Facebook e escolher quanto você pretende doar”, indica Maxx, “e cada valor tem uma contrapartida que vai de agradecimentos na revista até uma préza do Capitão Presença! O pagamento é feito através do Paypal e seu cartão de crédito só é debitado no final da campanha, se conseguirmos atingir a meta de R$ 6000. Clica aê e tire onda pro resto da vida que você foi um dos responsáveis pela sétima edição da revista em quadrinhos mais enfumaçada do país!

Colaboro c/ a revista desde 2006, quando enviei minha primeira história, SURF É COMPROMISSO, p/ a nº 5. Em 2007 mandei mais duas contribuições, a charge dos pingüins que abre este post e a HQ ZWEIG, essas duas páginas de garranchos que você pode ler a seguir [clique nas imagens p/ vê-las ampliadas]. A nº 6 só saiu um ano depois, em 2008. A falta de grana sempre fodeu a periodicidade.

A #7 vem toda em papel couchê e c/ 156 págs. Ontem Matias me pediu coisa nova. Mais uma vez estou em cima do deadline, mas vou fazer a minha parte. E você? Salve o Préza que ele te salva.

http://www.incentivador.com.br/projeto/revista/tarja-preta--7/111



Um comentário:

Espedito disse...

Legal, Adolfo. Ainda tenho aquelas que você mandou.