quinta-feira, julho 07, 2011


BICHOS 


A INCRÍVEL ARTE DE ERRAR EM TUDO é o novo single do Jason, lançado semana passada pelo site TramaVirtual. ANIMAIS é a 1ª exposição de arte do baixista do grupo, Flávio Flock, em cartaz no Salvatore Café, Rio de Janeiro.

Conheço Flock há pelo menos 15 anos das gigs punk, quando ele tocava no Poindexter, banda de funk metal da zona norte carioca. Em 97, ele e o vocalista Vital montam o Jason c/ o guitarrista Leonardo Panço do Soutien Xiita e o baterista Rafael Ramos, ex-Baba Cósmica. Um supergrupo de harcore que já disse a que veio no disco de estréia, ODEIA EU, carregado de ironia e sarcasmo em torpedos como Marra de Cão, Bróder, Que Bom que Eu Não Amo Ninguém e Imagem É Tudo (Sua Cabeça Não Tem Nada).
A primeira vez que estiveram em Aracaju foi em 98 no Porão Cultart, festa da Marginal, produtora da qual eu fazia parte. De lá p/ cá são 4 álbuns lançados e 4 turnês na Europa. “A Incrível Arte... inaugura uma nova fase musical da banda e, por que não, também uma nova fase visual, já que no Jason a estética do punk preto-e-branco sempre se impôs”, diz Flávio, que pela primeira vez gravou as guitarras. “Como a saída do Panço pegou a gente no processo de composição, resolvemos seguir por ora como trio e continuar compondo”, falou Vital ao Programa de Rock: “A gente vai ver isso de guitarrista com o material novo já adiantado.
Flock é autor de todas as capas do Jason e do Poindexter. Mas nunca havia exposto seus desenhos. A série surgiu de uma colaboração na tira MUNDINHO ANIMAL, do cartunista Arnaldo Branco, postada no G1. “A partir disso, continuei fazendo estudos e desenhando bichos. Tomei gosto pela coisa. Achei que meu traço funcionou com os animais. É um traço infantil e até meio ingênuo, de certa forma.” O convite p/ a mostra partiu do jornalista Adilson Pereira, proprietário do Café, localizado no bairro de Laranjeiras.
ANIMAIS estreou esta semana e permanece até 15 de agosto. Mais duas expos estão programadas. “Será uma trilogia, digamos assim: animais, pessoas e objetos. Já tenho muitos desenhos de gente, que foi por onde comecei. Só de objetos é que não tenho muitas coisa. Vou me forçar a desenhá-los, acaba sendo um tipo de desafio.
VIVA LA BRASA - Há quantos anos você pinta?
FLÁVIO FLOCK - Comecei como a maioria das crianças, tinha um grande interesse por lápis de cor e meus pais sempre me estimularam a desenhar, mas somente na época de ingressar em uma universidade é que passei a ter intenção mais clara de me expressar através das artes visuais. Na mesma época, por volta de 1990, tive um esboço de banda.
VLB - Você é formado em design gráfico?
FF - Na verdade minha formação é em Licenciatura em Artes Plásticas. Mas o mais importante foi entrar pro Poindexter em 91, conheci o Vital na UFRJ. Talvez hoje eu fosse professor, caso a capa do nosso 1º disco não tivesse aberto essa porta pra virar designer, mais especificamente ‘capista’ – um termo romântico da época dos LPs que gosto de resgatar, quando as capas de discos realmente agregavam valor artístico ao produto.
VLB - Quantos discos você já gravou c/ Jason, Poindexter etc?
FF - Essa resposta é um pouco difícil, pq gravei demos com o Poindexter que poderiam perfeitamente ser álbuns. O RETORNO, de 1993, inclusive seria um LP lançado pela Rock It!, selo do Dado Villa-Lobos e André X, o projeto já estava fechado, mas não conseguimos levantar nossa parte da grana para dividir os custos. O Jason também fez várias gravações avulsas que foram pulverizadas em coletâneas pelo mundo afora. Sem contar a Melissa, banda que tem uma gravação que, presumo, não se acha nem pra baixar por aí. Eu considero que gravei mais discos do que os que efetivamente se tornaram discos, hahaha. Ok, dito isso, os oficiais foram 3 com o Jason e 1 com o Poindexter. O último do Jason, REGRESSÃO, escrevi todas as letras, mas não gravei nenhum instrumento, esse conta? Avisei que era uma resposta difícil. [risos]

VLB - Lembra quantas vezes tocaram em Aracaju?
FF - Que saia justa, vou arriscar 4 vezes... Memória não é o meu forte.
VLB - Quem te influencia nas artes?
FF - Isso muda direto. E tem aquele clichê de que tudo ao redor influencia se vc está atento, que é uma verdade. Mas posso citar as influências eternas: Farnese de Andrade, Yoshitomo Nara, Bukowski, Jimi Hendrix e um álbum do Mr.Bungle, DISCO VOLANTE. É o que lembro no momento.
VLB - Já tinha vendido algum quadro antes dessa exposição?
FF - Nunca tinha colocado nada à venda, na verdade eu só tinha até o momento alguns desenhos espalhados pela internet, sem o menor controle. Na noite de abertura da exposição foram vendidos 6 trabalhos, não necessariamente quadros. Achei um bom número para uma estréia.
ANIMAIS - Salvatore Café, Laranjeiras, RJ, 06/07 a 15/08



3 comentários:

bela raposo disse...

muito legal a entrevista! e muito bacana o trabalho do f.flock. Ainda bem que o adilson teve a ideia da mostra. Só quero saber uma coisa, como faz pra ter acesso ao trabalho do flock?

Viva La Brasa disse...

tá lá ;)

Bacharel em Baixaria disse...

nada a ver com o tema acima, mas como me disseram que elogiste o livro "Barulho" - pior livro de rock de todos os tempos! - os autores da crítica ao referido livro aguardam uma réplica, se capacitados forem para fazê-la...

http://www.bachareisembaixaria.blogspot.com/