domingo, julho 10, 2011

FRENÉTIKO  

Todo mundo sabe, a verdade vou falar: as gatas é que fazem esse mundo girar”...
Punk, gótico, hardcore, headbanger, rapper, romântico, funkeiro, sadomasô e até emo. Mais camaleônico que David Bowie, mais esquizofrênico que Mike Patton, mais sonso do que o Latino... Estou falando do monstro mutante do rock gaúcho... Não, não é o Humberto Gessinger... Tudo bem, ele também é sem-noção, mas não vamos exagerar. Afinal de contas, Edu K é um cara legal.
Nascido em 1969 no lado paraguaio de Foz do Iguaçu, Eduardo Dornelles descobriu o que queria ainda criança, ao assistir James Brown na TV. No início da adolescência foi morar em Porto Alegre e conheceu Carlos Eduardo Miranda, famoso produtor musical e jurado do programa Qual É o Seu Talento?, na época apenas um gordinho cabeludo que tocava numa banda chamada Urubu Rei – de onde sairiam os integrantes do seu futuro grupo, o Fluxo, que ficaria mais conhecido como Defalla.
Já fazia um tempo que eu estava com a idéia de fazer uma banda free jam maluca, tipo Grateful Dead, Mothers of Invention e Miles Davis na época do Miles Runs the Voodoo Down”, lembra Edu. “Quando eu conheci o Miranda, todo mês ele inventava versões novas das músicas do Urubu Rei e era sempre uma mais legal que a outra. Mal sabia ele, coitado, que ia me criar uma obsessão. O Miranda é o pai da neurose toda que gerou o Defalla. Mesmo que criássemos um molde, nós mesmos quebrávamos depois.
Lançaram o 1º álbum pelo Plug, selo da BMG, e emplacaram uma canção no rádio, Não Me Mande Flores, só p/ abandonar o pós-punk e se jogar no hip-hop no disco seguinte, transformando Como Vovó Já Dizia de Raul num rap. Edu, metamorfose ambulante, passou a adotar acessórios de skate e peças femininas em seu visual. Perucas na fase hard rock, cabelão e roupas rasgadas na fase heavy metal. No Hollywood Rock em 93, abriu p/ o Red Hot parodiando Anthony Kieds, nu c/ um meião cobrindo os genitais, e raspou seus dreads cor-de-rosa em pleno show.
A banda estava no auge, havia recém-lançado um dos discos mais experimentais da música brasileira, KINGZOBULLSHIT BACKINFULLEFFECT92, que não só unia rap & rock como acrescentava samba à mistura – muito antes de Marcelo D2, Edu K já estava à procura da batida perfeita. Produziu faixas e álbuns inteiros p/ Nação Zumbi, Mundo Livre S/A, Pavilhão 9, Câmbio Negro, Funk Fuckers, Comunidade Nin-Jitsu, P.U.S. e até Tiazinha. É tão malandro que emplacou um hit no funk carioca mesmo sendo sulista: Popozuda Rock’n’Roll, a trilha sonora da Feiticeira.
Participou de vários projetos como Cyco, Elektra, Vernon Walters, Groo Brothers e Teenage Disco Hell, e em 95 lançou MEU NOME É EDU K, trabalho solo em que tirava onda de galã pop romântico, terninho e tudo. Canta como um negão do soul e berra feito uma diva do trash. Sua extensão vocal lhe valeu o convite de Allan Sieber p/ ser a voz de Jesus na animação Deus É Pai, premiada em Gramado em 99. No curta seguinte, Os Idiotas Mesmo, Edu dublou quase todos os personagens.
11 anos depois de sua estréia solo, lança FRENÉTIKO em 2006 pelo selo Man Recordings do DJ Daniel Haaksman. O alemão não acreditou na fusão de Miami bass c/ funk do Brasil quando ouviu o disco MIAMI ROCK 2000, do Defalla. “Punk rocker Edu K’s combination of the brazilian hip-hop style known as baile funk and high energy rapping makes a sound that’s not a million miles away from vintage 1980s Beastie Boys, remodeled for the 21st century with generous helpings of sensuous reggaeton and electroclash”, disse Daniel. Eu poderia traduzir, mas soa melhor no original.
O novo álbum deu início a uma surpreendente carreira internacional. A música Gatas Gatas Gatas – clara referência a Girls Girls Girls do Mötley Crüe – ganhou clip dirigido por Bryan Barber, o mesmo de Hey Ya! do Outkast, e entrou na trilha de campanhas publicitárias da Nike, Coca-Cola e Sony Ericsson. Edu já botou som em festas na Europa, Austrália e Israel, remixou faixas de artistas gringos da nova geração como Cowgun, Don Omar e Act Yo Age, e lançou 2 EPs em 2009 pelo selo australiano Sweat It Out: RAVER LOVIN' e HEADBANGER.
Em maio, retornou c/ a formação clássica do Defalla. Ao lado de Biba, Castor e Flu, tocou o repertório do 1º disco em duas apresentações seguidas no Beco 203, em POA, e já se apresentou 2 vezes em SP, a última delas ontem, no festival Gig Rock. “Tu percebes que eles têm um tema da música e na hora do show meio que ‘ah vamos pirar e ver o que acontece’...”, diz o andrógino, que continua desafiando a semiótica e fazendo sucesso c/ a mulherada. Atualmente, Edu namora uma morena linda & tatuada.
Conversei c/ ele logo após a primeira noite de shows e só terminei de entrevistá-lo esta sexta-feira. O processo foi lento mas o barato foi louco, espero que vocês se divirtam lendo tanto quanto eu me diverti fazendo. Artista de vanguarda, músico de ouvido, gênio da chinelagem, nascido p/ ser palhaço; Edu K é o cara... de pau.
Viva La Brasa - E aí, como foram os shows no Beco?
Edu K -  Pohãn, a reunião das velhas foi demaaaais!!! Todo mundo gozando paetê, gente chorando, reunião de cafajestes da antiga e casa lotada pras 2 sessões que rolaram! E foi incrível tocar de novo com a gang! A última vez que a gente tocou junto foi há uns 20 e tantos anos e parecia que tinha sido na semana anterior! Heheh!
VLB - Faz um tempo que vocês estão ensaiando essa volta, desde o Circo Voador em 2005...
EduK - Sim sim! A gente vem falando sobre isso há séculos já! Mas como o Castor mora em Maceió sempre ficou só no caô mesmo, heheh! Mas daí o Lelê, do projeto Discografia Rock Gaúcho, nos convidou pra fazer o primeiro disco na íntegra com a formação original e tudo se alinhou pro reencontro triunfal! Hahahah!
VLB - Como era o esquema de shows do Defalla? Eu vi o do Hollywood Rock e umas imagens do Circo Voador, ambos de 93... Que tal aproveitarem essa reunião p/ fazer uma tour pelo Brasil tocando o repertório dos dois primeiros discos?
EduK - Pohãn, o Defalla foi uma das bandas do Sul que MAIS viajou! Tocamos pelo país todo, já desde o inicinho da banda! A gente viajava até em cima de jegue e dormia em banco de praça mas ia pra tudo que era lugar! Heheh! E a tour está nos planos, com um top hits dos 2 primeiros! Em breve num puteiro perto de você!
VLB - Vi uma foto sua tocando sax... ou seria um narguilé?
EduK - Eu? Tocando sax??? Hauhauhauhaua! Aquilo é uma bomba de chimarrão... Hahahaha! Nunca toquei sax – meu pai toca, de cuecas! Aaaaaaaaaaahuahua!
VLB - Vc criou a Fluxo ainda moleque, c/ uns 15, 16...
EduK - Sim, eu tinha uns 13 anos e morava em Foz do Iguaçu.
VLB - Que sons te influenciaram a montar uma banda?
EduK - Bem no início, quando éramos eu [vocal e guitarra], o Carlo [Pianta, baixo] e a Biba [bateria], a influência era goth rock, pós-punk e... rock progressivo! Hahaha! Na fase do primeiro disco já era a mistureba característica defalliana.
VLB - E a banda do Miranda, Urubu Rei?
EduK - O próprio Miranda em si é a maior influência. Ele era o Mestre Yoda da galera! Hahaha... Na real eu conheci o Miranda logo que cheguei em Porto Alegre e ele me levou pra ver um ensaio da banda dele na época, a Urubu Rei. A Biba, o Castor e o Flu já tocavam nessa banda: me apaixonei (e jurei roubá-los pra mim, hehe) instantaneamente!
VLB - Falando no Miranda, lembro de uma Bizz que ele entrevistou o Defalla sobre umas brigas de bar que vcs andavam se metendo, na fase metal, acho que era 90 ou 91...
EduK - Hauhauahua! Se eu me lembrasse disso é porque não estava lá! Hauhauahu...
VLB - O nome Defalla é obviamente uma homenagem ao compositor espanhol Manuel de Falla, mas dizem tb que é um trocadilho c/ a banda The Fall...
EduK - Nada. Seria Gessinger demais esse trocadalho AHAHAH. O Manuel é o culpado mesmo!
VLB - KINGZOBULLSHIT foi o primeiro disco que você co-produziu. Foi sua primeira experiência na mesa ou vc já interferia na produção dos primeiros discos?
EduK - Na real foi a primeira vez que eu produzi com computador e tals. O Vicente Rubino, um amigão nosso que já produzia música eletrônica na época, nos convidou pra produzir umas coisas com ele e foi assim que eu me iniciei nesse mundo. Mas a parte de banda, que foi gravada em BH, quem produziu foi o Gauguin – engenheiro de som lenda viva do metal mineiro!
VLB - Eu considero o KINGZ... uma obra-prima.
EduK - Pohãn, adoro esse disco também! É tipo o nosso Paul’s Boutique: tem mais samples do que música HAHAHA! TRETA!
VLB - Desde então vc produziu todos os discos do Defalla, mas a freqüência das mudanças foi diminuindo e os álbuns ficaram temáticos. Por que isso? Sem Flu, Castor e 4nazzo na banda ficava mais difícil transitar entre estilos num disco só, às vezes numa mesma música?
EduK - Não, na real fiquei de saco cheio de ficar pulando pra tudo que era lado no mesmo disco! Continuei dando saltos bizarros mas de disco pra disco, hehe...
VLB - Vc tb produziu alguns clássicos dos anos 90 p/ vários artistas, como Ex-Detento do Piveti, Cadeia Nacional do Pavilhão 9 e Carnaval na Obra do Mundo Livre S/A. Como foi trabalhar c/ essas bandas, especialmente c/ o Piveti?
EduK - Produzir é do caralho! Me diverti muito e aprendi muito no ofício – sem falar que fiz muitos e bons amigos! O Piveti é foda! Era do caralho trampar com ele!
VLB - Defalla sempre foi vista como uma banda anticomercial, mas nesta década você foi na direção contrária, explorando estilos mais comerciais como funk carioca e punkinho emo. Essa auto-sabotagem é intencional?
EduK - Como assim auto-sabotagem? Auto-sabotagem é não zoar, não se divertir, não tirar onda! Hahaha! Além do que, sempre fui fissurado por pop, desde o começo!
VLB - Ganhou muita grana c/ Popozuda...? Soube que o visual roqueiro de vcs – c/ tattoos e dreadlocks – atrapalhou um pouco na hora de fechar contratos em bailes funks... Os produtores viam vcs e ficavam c/ medo hahah!
EduK - Ganhei e continuo ganhando mais de 10 anos depois! Popozuda Rock'n'roll é minha Garota de Ipanema, hahaha! Fez de mim um Morris Albert! Hahahaha!
VLB - Como foi trabalhar c/ a Tiazinha? Você pegou ela?
EduK - Hauhauahuahau! Nada! Somos bons amigues! E foi do caralho fazer o disco dela! Esse foi pra esculhambar tudo mesmo: era um puto disco de roque! Fodido! Geral não botou fé na época!
VLB - Vc sempre teve fama de comedor. Nos anos 80 estrelou o filme Aulas Muitos Particulares – em que tomava aulas de sexo c/ duas professoras gostosas – e tb namorou uma famosa atriz gaúcha. Qual é, essa sua androginia é só caô pra pegar mulher?
EduK - Caô nada, sou como Pepeu: um homem feminino! Hahahaha...
VLB - Por falar nisso, vc tá muito bicha no clip de Gatas Gatas Gatas. Que viagem foi aquela, um lance tipo Laerte [crossdresser], viadagem ou porralouquice?
EduK - Todas as opções acima e mais um pouco! Hahahahaha! O mais legal são os comentários no Youtube: pohãn, GATAS? Daonde que ESSE cara pega gatas? Hauhauhau...
VLB - Hahahahah! Foda... Vc já tinha tentado a carreira solo nos 90, mas este disco novo te trouxe um sucesso inédito. Ambos foram produzidos por vc mesmo, qual a diferença que vc acha p/ um emplacar e outro não?
EduK - A diferença? Se chama EUROPA! Meu disco solo dos 90 era muito avançado pra época. O pop trash R&B só desembarcou no Brasil anos depois!
VLB - FRENÉTIKO abriu p/ vc uma carreira internacional, e eu só vejo críticas elogiando o trampo em sites tipo o Meanbucket e o Gutter Broadcast. Conta aí a experiência de tocar na gringa e como tá sendo essa carreira nova. Boas festas, imagino...
EduK - É de foder! Viajar pelo mundo zoando e fazendo festa – e ainda ser pago pra isso – é o sonho de qualquer vagabundo! Agora em outubro rola a tour do UDEK (meu projeto electro metal) na Europa.
VLB - Hoje vc é um dos principais DJs brasileiros. Tb canta enquanto bota som?
EduK - Eu sou bem vagabundo, dá preguiça de cantar. Mas às vezes dou uns berros no mike. Nos sets do UDEK rola até uns screamo hahaha!
VLB - Yeah! Vamos falar um pouco de hards e softs. Que equipamentos e programas vc usa? MPC, Serato, Nuendo?
EduK - Migrei pro Live agora e tô amando! Mas até pouco tempo usava o Reason e o Record.
VLB - Fiquei sabendo q vc fez remixes p/ Jay-Z, Gotham Project e vários nomes da cena eletrônica underground. Como é esse trampo, os caras te pagam, a gravadora deles te procura?
EduK - Jay-Z? AAAAAAAAAAAAAA! HAUHAU! Rola de tudo que é jeito: os selos me procuram, os artistas me procuram – sou amigo de muita gente da cena e muitas vezes a galera me pede remixes também, diretamente.
VLB - E o Produtores Toddy, da Mtv?
EduK - Foi um projeto que eu criei com o produtor Rossato – que tocava guitarra na Bidê Ou Balde. A idéia era criar um espaço pra lançar bandas novas e mega-independentes. O projeto durou 2 anos e revelou gente como a Cine e o Restart!
VLB - Então você é um dos culpados! Bastardo! Tá trabalhando em que agora, Edu? O que vem por aí?
EduK - Um milhão de remixes, mais EPs do UDEK, mais a volta do Defalla, mais uma banda nova picareta chamada Metal Gods of Mayhem, mais várias festas de Pop, Funk e Electro, meu programa de rádio, o Tiger Blood, que rola na Ipanema FM todas madrugadas de sexta pra sábado, da meia noite à uma... e mais um monte de coisas que eu nem me lembro haha...
VLB - Cara, vc é o ator preferido do Allan Sieber, dublou a maioria das animações dele, e o Allan tb fez clips, quadrinhos e capas de disco pro Defalla. Fale um pouco dessa parceria dos dois.
EduK - Pohãn, eu e o Allan já varamos noites cariocas sem fim rodeados de travas tomando banho em banheira de hidro-massagem cheia de champagne! Preciso dizer mais? Hahahahaha!
VLB - É verdade que te sondaram p/ participar da Casa dos Artistas mas desistiram pq te acharam louco demais?
EduK - Sim! Hahahaha! E duas vezes ainda!
VLB - Dada a sua notória escrotidão, já te convidaram p/ ser ator pornô?
EduK - Ainda não... mas já saí na G Magazine! Aaaaaaaaaaaaaaaa... 

METAMORFOSE AMBULANTE
 
DJ EDU K BOMBANDO NA NIGHT EM 2010
C/ CASTOR DAUDT NO DEFALLA, EM 1988 
ARTE DE ALLAN SIEBER P/ O MIAMI ROCK 
O FILME 'AULAS MUITO PARTICULARES' 
VIDEOGAME C/ BIANCA JHORDÃO, MTV 
OS EPS RAVER LOVIN' E HEADBANGER 
SOLTANDO A VOZ NA VOLTA DO DEFALLA 
C/ A NAMORADA SOLANGE DE-RÉ, 2011

4 comentários:

Flock disse...

O Edu K escreveu o release desse disco do Poindexter ai embaixo hhahahahahaha. Essa, duvido que ele lembre :-P

COFFIN FANG disse...

ele não nasceu em novembro de 68?

Viva La Brasa disse...

pô, a bicha é mais véia do que eu pensava! hahahah... é q 69 combina mais c/ o estilo do biaaatch @

KF disse...

bem loco meu