sábado, agosto 13, 2011

O IMPÉRIO CONTRA-ATACA
London calling to the faraway towns/ Now that war is declared and battle come down/ London calling to the underwolrd/ Come out the cupboard all you boys and girls”...

Cumprindo a profecia do Clash, meninos & meninas pobres transformaram Londres num campo de batalha. Durante 4 dias e 4 noites a cidade queimou em conflitos que começaram no subúrbio de Tottenham e se espalharam pelas cidades de Bristol, Birmingham, Liverpool, Manchester e Nottingham, numa onda de protestos e confrontos c/ a polícia. Lojas foram saqueadas e prédios queimados, 1.500 pessoas foram presas, 500 indiciadas e 5 morreram – um homem baleado, outro espancado e 3 atropelados. O premiê britânico James Cameron classificou a sucessão de eventos como “criminalidade pura e simples”, e prometeu “justiça rápida” p/ os responsáveis.

A treta começou após o assassinato de um morador de Tottenham, Mark Duggan, pai de família de apenas 29 anos, pela polícia londrina – a mesma que matou o brasileiro Jean Charles pelas costas. Você já viu esse filme antes. Rebeldes se unem, combatem o sistema e, após a vitória inicial, são subjugados pelo império. As circunstâncias do conflito desta semana são muito semelhantes ao estopim das revoltas no mundo árabe. No Egito, o suicídio de um jovem inconformado c/ a corrupção e brutalidade policial foi o que motivou milhares de pessoas a acampar no centro do Cairo, e resistir aos tanques do governo até a queda de Hosni Mubarak.

Passados 6 meses da revolução egípcia, a praça Tahir continua a receber protestantes. “Civil! Civil! Abaixo o poder militar”, gritavam os manifestantes reunidos ontem, sexta-feira, durante visita do chefe de estado, marechal Tantawi. O julgamento de Mubarak não dá garantia nenhuma que se seguirá um governo democrático. Se parece ruim, pior é nos países vizinhos do norte da África. Na Líbia a guerra perdura, e nem o reconhecimento pela ONU das forças rebeldes como governo legítimo foi capaz de derrubar Muammar Khadafi. Mais de 10.000 líbios já morreram, 14 apenas nos confrontos dos últimos 2 dias.

Na Síria, 1.500 baixas no lado do povo esmagado pelo regime de Hafez Assad, que também resiste há meses à pressão popular e internacional p/ que deixe o poder – herdado do pai, Bashar Assad, que em 1982 matou 20.000 cidadãos num bombardeio em Hama. No último domingo a história se repetiu, e 200 foram mortos pelo exército na mesma cidade. Desde março, 10.000 sírios já foram presos e outros tantos se refugiaram nos vizinhos Líbano e Turquia. Arábia Saudita, Bahrein, Kuat e Marrocos condenaram a violência, mas e o Assad c/ isso?

Toda vez que eclode uma revolta popular nos países muçulmanos, a reação das ditaduras é a intervenção através da mão pesada do Estado, c/ uso da força em primeira instância e bloqueio dos meios de comunicação no movimento seguinte. Desde os protestos dos estudantes no Irã em 2009, reprimidos brutalmente pelas tropas de Ahmadinejad, a internet é a principal aliada dos rebeldes – e inimiga pública nº 1. Foi assim no Egito, no início deste ano, é assim na Síria, pelo menos até que o impasse se resolva... e é o que o primeiro-ministro da Inglaterra planeja fazer.

No início o número de policiais nas ruas foi muito pequeno e suas táticas não funcionaram”, diz Cameron, que pretende criar leis p/ monitorar o uso da rede em seu país, impedindo o acesso a depender do caso. “Vamos ver se é correto impedir que as pessoas se comuniquem por sites e serviços quando sabemos que estão planejando violência, desordem e criminalidade”, discursou no Parlamento, referindo-se às redes sociais. A Scotland Yard está de olho no Blackberry Messenger, que permite conversas c/ mais de uma pessoa em tempo real e a criação de grupos num sistema de ciclo fechado.

As mensagens podem ser rastreadas através da fabricante do BlackBerry, a empresa Research In Motion, que aceitou cooperar c/ as autoridades e teve seu site invadido em retaliação. O grupo cracker Teampoison assumiu a autoria do ataque, que consistiu no recado: “Não devem ajudar a polícia fornecendo conversas de chat, localizações GPS e informações de cliente, ou pessoas inocentes que tenham um BlackBerry e estejam no site errado na hora errada serão falsamente acusadas.” V de vingança.

O principal argumento do premiê é a falta de argumentos dos amotinados, e aponta a depredação de lojas p/ roubar aparelhos eletrônicos e roupas de marca como símbolo da alienação de uma geração de vândalos. “Não é questão de pobreza, é questão de cultura”, diz o camarão, “uma cultura que glorifica a violência, que mostra desrespeito à autoridade e que diz tudo sobre direitos, mas nada sobre deveres.” Neste ponto, o discurso do premiê britânico se alinha ao do presidente chileno.

Nada na vida é de graça, alguém sempre vai pagar a conta”, disse Sebastian Piñera na quinta-feira após 2 meses de protestos no Chile por reformas na educação. Piñera chegou a apresentar uma contraproposta, mas diante da negativa dos reinvidicantes mandou seus carabineros partirem p/ cima de 60.000 estudantes e professores na capital Santiago. Em uma das marchas, 850 civis foram presos. A comparação c/ Pinochet é cada vez mais recorrente.

Camila Vallejo, presidente da Federación de Estudiantes de la Universidad de Chile e musa do movimento, classificou as prisões como “táticas ditatoriais que violam as liberdades constitucionais, como o direito à reunião”. A resistência chilena começa a influenciar os estudantes na Argentina e no Paraguai, que também saíram às ruas esta semana. Em Aracaju, os professores municipais estão em greve p/ que a prefeitura equipare seus salários ao piso nacional.

Por mais que os moleques baderneiros do Reino Unido pareçam rebeldes sem causa, a confusão que eles criaram esta semana merece ser celebrada por sua capacidade de se indignar e protestar contra o status quo – estejam eles certos ou errados. “Atualmente, cerca de 1 milhão de jovens ingleses estão desempregados, grande parte deles não tem acesso ao sistema educacional”, lembra Cristiano Viteck, do blog O Dilúvio.

Não é a devoção a um conjunto fixo de normas de protesto que pode mudar a sociedade, mas o uso apropriado de táticas para alcançar objetivos”, escreve o jornalista Craig O’Hara no livro A Filosofia do Punk. “Às vezes a violência é necessária, às vezes ela é contraprodutiva.” O depósito que a Sony usava p/ distribuir CDs e DVDs no país foi totalmente destruído num incêndio. E a indústria fonográfica não pretende arcar c/ mais esse prejuízo.

A maioria dos amotinados tem menos de 18 anos. A polícia exibe imagens dos procurados em telões e os tribunais estão trabalhando 24 horas por dia. Entre os detidos, há um garoto de 15 anos acusado de roubar chicletes e chocolates, 3 meninos de 14 e uma menina de 12 indiciados por desordem pública, e um guri de 11 que pegou um cesto de lixo.

Controle de internet e prisão de crianças. A que ponto chegou o império britânico.

BLACKBERRY X CARABINEROS
LEMA PUNK: "SE VOCÊ NÃO TEM NADA, NÃO TEM NADA A PERDER"
A BATATA DE ASSAD TÁ ASSANDO
 GENTE BONITA PROTESTA NA SÍRIA...
...E CAMILA COMANDA EM SANTIAGO
CARABINEROS DE CHILE, OSSO DURO DE ROER
 
DUCHA DE ÁGUA FRIA NO MOVIMENTO ESTUDANTIL
 ENQUANTO ISSO, NA LÍBIA...

Um comentário:

Boogie Boy disse...

É chumbo grosso, meu véio...