sexta-feira, agosto 19, 2011

PLANO B
O Senhor tem um plano para sua vida, irmão!”, falou o pastor ao passar por mim na rua, me entregando um panfleto da Igreja Universal. Era início de 2004, eu acabara de ser despedido da produtora em que trabalhava e na real só tava andando cabisbaixo por causa do brilho do sol, que me alumiava as vistas mesmo usando óculos escuros [quem não tem colírio]...

Se o Senhor tem um plano p/ mim, deve ser um Plano B.

Meses depois, estou morando num quitinete classudo no Rio de Janeiro e os panfletos que me dão são de casas de massagem. Frequentando bons lugares em más companhias, vou parar num fim de tarde dentro de uma lojinha maluca no pé da colina de Santa Teresa. Logo ao entrar, um sujeito c/ óculos fundo-de-garrafa me intima:

- Você é o Adolfo, de Aracaju né?

- Não sei, você é da polícia?

- Eu te conheço! Tá lembrado de mim não?

- Lógico, pô! Quibe c/ Qsuco na Cinelândia por R$ 0,50!

Marcos OF do fanzine Meleka Korrosiva, um dos mais originais dos anos 90. Conheci num encontro de zineiros no Centro Cultural Banco do Brasil, perto da Candelária, em 96. O formato da maioria dos zines, incluindo o meu, era de uma folha A4 na horizontal dobrada ao meio – o dele era o único dobrado na vertical. Foi o 1º cara que eu conheci c/ o nome sujo no Serviço de Proteção ao Crédito. Um precursor.

- E aí, ainda tá no SPC?, perguntei enquanto fumávamos um no estúdio de tatuagem nos fundos da loja.

- Ah, aquilo ali vence depois de 5 anos! Ao invés de pagar a dívida, juntei uma grana e montei esse negócio c/os parceiros...

A Plano B é uma headshop incrustada no coração da Lapa que vende discos, livros, quadrinhos, roupas, tattoos e aos fins-de-semana se transforma numa casa de shows p/ artistas de vanguarda. A lojinha surgiu naquele ano e se consolidou como o melhor espaço p/ a música experimental de gente como Jesus Coca, Miss Seda, God Pussy etc. Bandas instrumentais, eletrônicas, instalações e videoarte.

A maior parte dos artistas não está ‘experimentando’, pelo contrário, sabe muito bem o que fazer e está fazendo”, dizem os atuais sócios Fernando Torres e Fátima Lopes. “Também promovemos regularmente cursos e workshops dedicados a métodos e técnicas de produção, criação artística e musical, como circuit-bending e pure data, visando incentivar a produção e provocar o surgimento de novos artistas.

Sexta-feira passada, um ataque cardíaco fulminante levou embora nosso amigo Marcos, “pesquisador musical e agitador cultural”, como o definem Fátima e Fernando. Hoje a Plano B fará uma noite especial em sua memória. “Um concerto bem ao estilo da casa que ele ajudou a fundar. Improviso livre com os músicos que já passaram por aqui, antes e depois das sessões vão rolar uns podcasts feitos por ele junto com o Sandro Machintal.

Programa imperdível p/ quem tá no Rio – ouvir um som na faixa e de repente encontrar aquele gibi raro ou o álbum importado que você queria há tempos. Quando estive lá comprei o Ódio do Peter Bagge, Sin City do Frank Miller e uma camiseta preta que tenho até hoje, tudo a um precinho camarada. Ainda fiz a cabeça e ganhei um CD pirata do Tim Maia Racional.

O caminho do bem/ já iniciou, está acontecendo/ Fase racional, não estão sabendo”...

UM PLANO P/ SUA VIDA


Dedicado a MARCOS OLIVEIRA FERREIRA [in memoriam]

Um comentário:

Boogie Boy disse...

É isso aí, tenho o sonho meio tosco de um dia botar um café ou lojinha de tosqueiras com um espaço pra produção de arte e apresentações de pocketshows... um sonho besta apenas.