domingo, novembro 06, 2011

UNODECACAMPEÃO 
I’m not joking. I have not won the world tittle yet. I still have to win another heat! Give those shirts and hats back! 

Kelly Slater no Twitter, sexta-feira.

Por semanas a fio, a ASP anunciou que o 11º campeonato mundial estaria garantido caso KS passasse apenas 2 baterias na penúltima etapa do circuito, o Rip Curl Pro Search em San Francisco. E ele fez seu papel: passou sem dificuldade pelo round 1, na terça, e venceu o australiano Dan Ross, quarta-feira. Título em casa por antecipação. Festa americana, distribuição de faixas, bonés e camisetas, cadeirinha até o pódio, foto segurando o caneco e a notícia correndo: Kelly Slater 11 vezes campeão do mundo!

Eu me sinto surfando no meu nível mais alto e sei que posso continuar”, discursou o recém-coroado unodecacampeão – descobri que é assim que se chama quem vence por 11 vezes [Slater também é cultura]. Não há registro de nenhum atleta c/ tantos títulos mundiais, em esporte algum. Ele é o único unodeca que existe? “Ainda não pensei sobre isso. É gratificante conquistar mais um título, principalmente em solo americano. Qual era a chance de eu ganhar um título no aniversário do falecimento do Andy?” 02 de novembro, dia de finados. Nessa data morreu Andy Irons.

Momento histórico cheio de significados. As imagens da comemoração foram exibidas em canais de TV, sites e jornais. No entanto, 2 dias após o anúncio, a associação que rege o surf volta atrás. Ops, alguém errou as contas! Slater ainda precisa passar mais uma bateria. Tanto faz se nesta ou na última etapa – Pipeline, Havaí. Uma bateriazinha só. Mas ainda falta. Se não passar nenhuma, o nº 2 na corrida Owen Wright pode alcançá-lo caso vença as duas etapas. Se isso acontecer, ambos empatam nos 9 melhores resultados c/ 3 vitórias, 2 vices, 2 quintos, e assim por diante. Matematicamente, o jogo não acabou.

Nosso sistema de rankings é concebido para fazer os desempates baseados no seed dos atletas”, justifica Renato Hickel, gerente do Tour. “O Kelly e o Owen poderiam empatar nos 9 resultados computados, aí o sistema foi para os 8 melhores e deu vantagem pro Slater. Era assim antes da criação do ASP World Title Race, então foi um erro nosso. Nós somos responsáveis por isso e devemos ser responsabilizados, por isso pedimos desculpas aos nossos fãs, aos surfistas e principalmente ao Owen e ao Kelly.” Papelão maior que esse, só o de certo Ministério dos Esportes...

Valeu ASP, por contribuir p/ a imagem do surfista burro. Tsc, tsc. No último post citei o tsunami de críticas que os caras estavam recebendo, não só pela rotação dos Tops no meio do ano como também pela entrada das metrópolesRio, Nova Iorque e São Francisco. A estratégia vinha se mostrando acertada, e eu cantei a bola: “ou a ASP tem muita sorte ou sabe o que está fazendo”. C/ 2 dias iniciais de tubos e vento terral, o evento foi adiado pela 3ª vez consecutiva hoje por falta de condições ideais. Parece que a mancada dos cartolas fez até Netuno perder a paciência.

A disputa que separa Slater do título será contra os brasileiros Gabriel Medina & Miguel Pupo, potencialmente a melhor do Pro Search. O velhinho vai dar tudo de si, Medina já o derrotou na França, também venceu as duas baterias que disputou até agora em Long Beach – atropelou o havaiano Fred Patacchia c/ mais de 10 pontos de diferença, 15.37 x 5.36 – e Pupo bateu os aussies Kai Otton e Ace Buchan. “Eu sinto que estou começando a colocar o meu pé no World Tour e espero continuar encontrando boas ondas nas baterias”, diz Miguelito, que vem de uma vitória na Califórnia no último domingo.

Só p/ registrar, Mineirinho perdeu na 3ª fase e está fora da briga. Owen Wright permanece no páreo e corre contra o catarinense Alejo Muniz, que por coincidência eliminou outro brasileiro, Raoni Monteiro. Já pensou se Gabriel & Miguel barram Kelly, e Owen vence em Frisco como fez em NY? As chances são mínimas, mas seria emocionante e divertido ver os dirigentes do surf c/ o cu na mão até a hora do Pipe Masters – evento que Slater tira de letra e já venceu 6 vezes. “Depois desse vacilo, pode apostar em mais 2 pontos extras pra cada onda surfada pelo Kelly nas baterias”, tira onda Roger Ferreira, editor do site Layback.

Duas vitórias do Wright e derrotas seguidas de Slater forçarão a ASP a fazer uma bateria especial p/ decidir o título, algo tão inédito quanto as 3 finais seguidas que os 2 disputaram este ano. “Guardem aquele material do ano passado só por garantia, hahaha”, tuitou o supercampeão, divertindo-se c/ a situação.

E agora? KS10 ou Ke11y? Provavelmente amanhã teremos a resposta, mas desde já uma certeza: entre os surfistas, o careca continua sobrando por ter a prancha no pé e uma cabeça brilhante.

2 [+ 1] = 11
MIGUELITO SUBINDO NA VIDA
MEDINA É O NOSSO SLATER
KE11Y NO X DA QUESTÃO

Nenhum comentário: