segunda-feira, dezembro 19, 2011

O ÚLTIMO DOS MOICANOS  
Levante o moicano, levante o moicano/ Levante o moicano, levante o moicano! 

Livre arbítrio é pra valer, não tem porque se esconder/ Se achar inferior, a um perfil enganador/ Sei que cobram de você, mas nada de se maquear/ Vou explodir sua agonia, seu moicano levantar”...

Banda Aceh não é o nome de um grupo de rock. Trata-se da província mais muçulmana do conjunto de ilhas no oceano Índico conhecido como Indonésia, país de maior economia no sudeste asiático e o 4º mais populoso do mundo. Aceh, localizada no extremo norte, foi uma das áreas mais atingidas pelo tsunami que devastou a ilha de Sumatra em 2004. É também a região mais radicalmente conservadora da Indo.

Lá se aplica a Sharia, lei islâmica que proíbe álcool, obriga as mulheres a cobrirem as cabeças – e todo o resto do corpo – , expõe os homossexuais a humilhações públicas e pune adultério c/ apedrejamento até a morte. Entre outras amenidades. A concessão de uma legislação à parte foi a saída do governo indonésio p/ conter o separatismo de Banda Aceh. Há 7 dias, a comunidade deu mais uma mostra de cordialidade e tolerância.

A polícia local enquadrou 65 jovens que curtiam um show punk. Todos tiveram os cabelos raspados e foram obrigados a se lavar no rio, antes de serem levados p/ a cadeia. “Por que meu cabelo”, chorava uma garota de 20 anos que rodou junto c/ a turma. “Não machucamos ninguém, só nos expressamos assim... Por que tudo isso?”, perguntou ao fotógrafo da AFP que testemunhava a cena.

Vamos trocar essas roupas desagradáveis por trajes mais bonitos”, explicou o delega responsável pela operação. “Vamos dar-lhes sabão, escova, pasta de dente, sandálias e material de oração”, disse o chefe antes de levar a molecada p/ 10 dias numa escola a 60km da cidade mais próxima, onde estão sendo submetidos a “um programa de reeducação para que sua moral passe a coincidir com a da população de Aceh.

O episódio provocou comoção na comunidade roqueira mundial, e até grupos como o Aceh Human Rights Coalition se manifestaram. “São apenas adolescentes se divertindo”, diz Evi Narti Zain. “É claro que houve queixas pelo comportamento deles, mas o caso não devia ser tratado dessa maneira. Eles foram submersos em água fria e suas cabeças foram raspadas, isso é uma violação dos direitos humanos.

No último sábado, o movimento se organizou numa passeata de protesto pelas ruas de Jacarta, capital do país. Meu chapa Leonardo Panço conheceu uns punks indonésios nas tours européias do Jason. “Vi 2 shows do Kress Kepalla na Alemanha e foi fudido. Os caras fizeram uma vaquinha na cidade deles pra pagar as passagens, e foram com 20,00 pra Europa. Seis caras com 20 euros pra passar 90 dias.

Moicano é  uma ofensa p/ as tradições islâmicas. Não é muito diferente no Ocidente. Visual de guerra criado pelos índios Mohawk, antecipou o punk em 1974 no filme Taxi Driver – o motorista Travis Bickle lança o corte quando decide matar o candidato a presidente e fazer justiça c/ as próprias mãos num puteiro. O escocês Wattie Buchan fez do estilo o símbolo de seu grupo, The Exploited.

No Brasil, o Bob Cuspe escarra no sistema desde os anos 80, e a banda Gritando HC dá voz à revolta mantendo a crista eiriçada: “Na sua palavra eu cuspo, em ‘A’ é minha lei/ Cada um é cada um, não provo nada pra ninguém/ Ternos e gravatas, são assassinos e ladrões/ Deixem de acreditar e vêm comigo protestar! 

Levante o moicano, levante o moicano!

BHINNEKA TUNGGAL IKA
 JUVENTUDE DANÇA NA SHARIA EM BANDA ACEH
E PUNKS PROTESTAM NAS RUAS DE JACARTA
 
 O LEMA NACIONAL "BHINNEKA TUNGGAL IKA"
SIGNIFICA "UNIDADE NA DIVERSIDADE"

FOTOS E INFOS: AFP, BBC, EPA, GOOGLE, FACEBOOK E WIKIPEDIA

5 comentários:

Samara Peixoto disse...

Perseguição a grupos como os Punks existe em todos os lugares, a diferença é apenas como ela se dá. Lamento pelos jovens Punks de Aceh, como por toda sua população, e tantas mais em outros estados que sofrem com seus direitos humanos negados e violados. O mundo será uniforme quanto a isso um dia? Espero que sim, e que eu veja isso em vida. Enquanto isso, levante o moicano, levante a cabeça!

Samara Peixoto disse...

Uniforme quanto a direitos e deveres humanos, e não só em lei, mas no cumprimento da mesma.*

Viva La Brasa disse...

espero que o mundo seja uniforme, mas não de uniforme ;) valeu samara, sempre bom te ver por aqui @

Anderson Ribeiro disse...

Espero um dia poder ver no mundo meninos brincando não serem tratados como bandidos. Liberdade, liberdade ainda que tardia.

Bacharel em Baixaria disse...

nada a ver com o tema acima, mas como me disseram que elogiste o livro "Barulho" - pior livro de rock de todos os tempos! - os autores da crítica ao referido livro aguardam uma réplica, se capacitados forem para fazê-la...

http://www.bachareisembaixaria.blogspot.com/