terça-feira, dezembro 13, 2011

PIPE JUNIORS 
POTTZ 15 ANOS 1982, GABRIEL 17 ANOS 2011
Se o Havaí é a Meca dos surfistas, Pipeline é a Mesquita Sagrada. Nos anos 70, australianos e sulafricanos surgiram como as novas forças do surf ao redefinir a arte de entubar ali. Mark Richards, Wayne Rabbit e Shaun Tomson eram tão agressivos em suas performances que os havaianos só conseguiram pará-los na porrada – história contada no documentário Bustin’ Down The Door.

Em 81, Simon Anderson confirmou a eficácia das pranchas de 3 quilhas vencendo em Pipe. No ano seguinte, Martin Potteraos 15 anosdropou uma bomba de 4m que sedimentou sua carreira profissional. Em 85, Mark Occhilupo venceu em condições storm – aos 19. Gerry Lopez, Dane Kealoha, Michael Ho, Gary Elkerton, Rob Machado, Jamie O’brien, Bruce Irons. Todos eles fizeram seus nomes e deixaram suas marcas lá, alguns vencendo mais de uma vez, como Derek Ho, Tom Carroll, Kelly Slater e Andy Irons.

O Pipe Masters, evento anual de encerramento do circuito mundial, foi realizado no último fim-de-semana em homenagem a Andy, havaiano tricampeão do mundo em 2002/03/04 que sucumbiu a uma combinação explosiva de dengue, remédios e cocaína. Nos últimos anos a agenda da ASP vinha dando azar. Bede Durbidge, Taj Burrow e Jeremy Flores venceram em condições que lembravam mais Barra da Tijuca ou Maresias, no Brasil, do que a rainha das ondas. Mas em 2011 foi diferente.

O campeonato só precisou dos 3 primeiros dias da janela p/ acontecer em ondas que chegaram a 15 pés quebrando no segundo recife, chamado Banzai. Slater estava lá, c/ seus 11 títulos mundiais, buscando sua 7ª vitória no pico. Mas o destaque deste ano não foi ele nem qualquer outro superstar consagrado, como o bicampeão mundial Mick Fanning ou o bicampeão da Tríplice Coroa, Joel Parkinson. Os havaianos continuam a fazer pressão, e assim garantiram um local em cada bateria da 1ª fase.

John-John Florence, 19 anos, vinha de uma vitória na World Cup em Sunset e marcou o primeiro 10 da competição p/ fazer a média 18.07, e em seguida 19.10. No 4º round marcou outro 10 e mandou os campeões mundiais KS11 e CJ Hobgood p/ a repescagem. Acabou tomando o troco nas quartas-de-final do próprio Kelly, mas tornou-se o mais jovem campeão da Triple Crown. “Surfo aqui minha vida inteira”, comemorou Joãozinho, “e estou muito feliz de inscrever meu nome nesse troféu.

Os brasileiros também mandam bem em Pipeline, e só não são melhores por causa do localismo feroz que ronda o pico. Mesmo assim, Pepê Lopes chegou em 6º lugar em 1976, 20 anos depois Guilherme Herdy alcançou as semis, Renan Rocha tirou 10 no ano 2000 e também ficou em 3º. Bruno Santos, campeão em Teahupoo que nunca fez parte da elite, chegou às oitavas-de-final competindo como convidado, assim como meu amigo Binho Nunes em 96. Mas no Pipe Masters 2011, todos os brazucas dançaram de prima em suas baterias. Menos um.

Gabriel Medina, 17 anos, vinha de duas vitórias no World Tour, França e EUA, e venceu seus 2 primeiros confrontos aplicando uma combinação de pontos nos adversários – o sulafricano Travis Logie [GM 12.77 x 2.27 TL] e o big rider nativo Shane Dorian [GM 9.23 x 2.30 SD]. “Eu tô amarradão só de estar aqui”, diz o moleque curtindo a viagem. “Eu só tinha surfado aqui uma vez porque sempre é tão crowdeado, mas tava confiante e peguei boas ondas.” Chegou às quartas igual ao João-João, e só parou no virtual campeão.

Kieren Perrow é um veterano do circuito. Aos 34 anos, nunca havia vencido uma etapa da 1ª divisão, embora tenha feito algumas finais, incluindo a do Pipe Masters ano passado. Mal na temporada, chegou à última etapa no sufoco lutando pelas últimas posições entre os Top 32. Começou sua arrancada na 4ª fase, c/ uma esquerda em que cavou embaixo da guilhotina e encaixou num tubo rápido e matador, virando a disputa. Barrou Gabriel nas quartas, e o taitiano Michel Bourez na semi c/ uma nota 10. Na final, derrotou Parkinson.

Não existe ninguém mais merecedor do que o Kieren, ele é um mestre dos tubos, um dos melhores lá fora, então também estou feliz pela vitória dele”, disse Parko, que parou Slater na outra semi mas acabou em 2º no Masters e também no ranking final – seu 4º vicecampeonato mundial. “Foi difícil superar a derrota ano passado”, discursou o campeão no pódio, “É muito bom voltar p/ vencer. Foi um evento fantástico. Ondas fenomenais, nunca tinha surfado Pipe assim. Tudo muito bonito, o ápice pra mim.

KP terminou o ano em 19º, mas o que interessa p/ gente é que este foi o melhor ano do Brasil no World Tour da ASP. Em 2012 serão 7 dos nossos na briga pelo título: Jadson André, campeão da etapa brasileira em 2010, é o 27º no ranking unificado, Raoni Monteiro o 21º, Miguel Pupo o 17º, Heitor Alves o 16º, Alejo Muniz o 10º, Adriano ‘Mineirinho’ é o 5º, e Gabriel já é o Top 4 do mundo, sem nem ter feito o circuito completo. “Vou começar 2012 com tudo”, promete o prodígio mais precoce que Neymar.

Se os havaianos têm Meca, nós temos Medina.

PIPE MASTERS 2011
[IN MEMORY OF ANDY IRONS]
 KIEREN PERROW, DE COADJUVANTE A PIPE MASTER
 MEDINA FAZENDO HISTÓRIA, SÓ P/ VARIAR
 JOHN-JOHN, 19, CAMPEÃO DA TRÍPLICE COROA
SLATER CONVENCE ATÉ QUANDO NÃO VENCE

2 comentários:

Provos Brasil disse...

Vi quase tudo ao vivo pela net, foi algo extraordinário.

Não sei, mas o Gabriel, o Mineiro e o Pupo quem sabe um desses pode beliscar um título nos próximos anos...

Achei muito louco o seu blog!

Provos Brasil

Viva La Brasa disse...

firmeza, provos.
assisti o 2º dia ao vivo pela net tb.
viva a tecnologia.
abrx @