domingo, abril 22, 2012

POP
Quando gravei FUN HOUSE, em 1970, ninguém queria me entrevistar. Era maravilhoso!

Iggy Pop, 65 anos de rock em estado bruto.

Adolescente, largou a escola em Detroit, o emprego numa loja de discos – Discount Records – e a banda em que tocava bateria – Prime Movers – p/ morar em Chicago. Foi c/ 19 centavos no bolso e ficou num bairro negro onde era o único branco [nos EUA dos anos 60]. Aprendeu que “o lance é tocar o meu próprio blues simples.” 

Eu poderia descrever minha experiência baseado no jeito que aqueles caras descreviam as deles. Um dia eu estava na beira de um rio, conversando com alguns amigos, e alguém me passou um cigarro de maconha. Nunca tinha experimentado. Fumei pela primeira vez e fiquei louco. Foi fumando maconha que eu tive a idéia de cantar numa banda.” 

Voltou p/ Detroit, chamou uns amigos e o resto é História. “Era uma porra tão real que simplesmente era inacreditável”, diz John Sinclair, ex-empresário do MC5, sobre o show de estréia dos Stooges. “Iggy não se parecia com nada já visto. Não era como uma banda, não era como o MC5, não era como Jeff Beck, não era como coisa nenhuma. Não era rock’n’roll.

Os caras faziam barulho, abusavam das drogas e moravam na mesma casa – a Fun House. “Na primeira vez que fomos para Nova York, Iggy tomou STP”, conta o finado guitarrista dos Stooges, Ron Asheton, no livro MATE-ME POR FAVOR. “Amarrei uma corda na cintura dele e o guiava pela cidade. Iggy ficava dizendo: ‘Uau, cara, posso ver através dos edifícios!’...

Quando a gente chegou pra fazer o disco, Jac Holzman me perguntou: ‘Vocês têm material suficiente pra fazer um álbum, certo?’. A gente disse: ‘Claro!’. A gente só tinha 3 canções. Então voltei pro hotel e em uma hora bolei os riffs de ‘Little Doll’, ‘Not Right’ e ‘Real Cool Time’.” 

I Wanna Be Your Dog’ provavelmente é resultado da minha má interpretação de ‘Baby Please Don’t Go’...”, diz Iggy. Ele berrava letras sujas, rolava em cacos de vidro e sempre tinha problemas c/ a polícia. “Eu não conseguia entender como Iggy conseguia que as garotas ficassem à volta dele”, lembra o batera Scott Asheton, irmão de Ron. “Uma vez, vi ele pegar suas 5 garotas de sempre e ir caminhando de volta pra casa com todas essas meninas agrupadas em volta dele, ‘-Oh Iggy, oh Iggy’...”.

Pop e os Stooges anteciparam o niilismo e os 3 acordes do punk em sons como ‘No Fun’, ‘Raw Power’ e ‘Search and Destroy’. A banda acabou em 1974 e voltou em 2003. Nesse hiato, Iggy se tornou um ícone do rock emplacando hits como ‘Candy’, ‘Lust for Life’ e ‘The Passenger’. Fez parcerias c/ David Bowie e Lou Reed, pegou gonorréia c/ a Nico e influenciou bandas como Ramones e Sex Pistols.

Iggy era mítico”, confirma Legs McNeil, autor do zine PUNK, que batizou o movimento. “Iggy era provavelmente a única pessoa universalmente respeitada por todo mundo na cena – e nós éramos uma gente que não respeitava coisa nenhuma. Quer dizer, ok, havia Lou Reed. Lou era brilhante, mas era um babaca. Iggy era Deus.” 

O Iguana quebrou ossos apanhando na rua, quebrou ossos caindo de palco e, igual ao Wolverine, sempre se regenerou. Atuou em filmes de Hollywood e participou de discos do White Zombie, At The Drive-Inn, Peaches etc. Disse que ia parar c/ os stage-dives após uma aterrissagem mal-sucedida em 2010, mas já voltou a se jogar em shows na Alemanha, Inglaterra e Espanha. 

Tenho orgulho de um Stooge, man. Tenho orgulho até das piores coisas que fizemos. Tenho orgulho de ter passado com um caminhão de 4m por baixo de uma ponte de 3m e cortado a parte de cima do caminhão como se fosse uma lata de atum, hahaha. Tenho orgulho das vezes em que desmaiei na frente de pessoas importantes, tenho muito orgulho disso.

Aos 65 recém-completos, continua rolando as pedras e quebrando tabus. Em 2007 lançou THE WEIRDNESS c/ os irmãos Asheton, e em 2009 gravou um álbum de jazz, PRELIMINAIRES, c/ uma versão p/ ‘Insensatez’ de Tom Jobim. Em 2010 foi homenageado no Rock and Roll Hall of Fame, e em 2012 escolhido embaixador do Record Store Day

Quando os Stooges subiam no palco, você sabia que alguma coisa podia acontecer. As nossas excursões eram as mais loucas, duvido que qualquer outra banda tenha feito tanta putaria quanto a gente. Eu sempre acordava sem saber onde estava, deitado com uma mulher que eu nunca tinha visto. Uma vez agarrei uma dona na platéia e comi ela.” 

Casado há uma década c/ a gata Nina Alu, posou em janeiro dentro de um modelito Dior p/ uma campanha feminista. “Eu não tenho vergonha de me vestir como mulher porque não acho vergonhoso ser mulher.” 

Promete um disco de inéditas dos Stooges até o fim do ano. “Só vou me aposentar depois dos 70.

Parabéns, Iggy.

Rei da cachorrada.

KING OF THE DOGS
 “HEY GIRL, I'M NOT ASHAMED TO DRESS LIKE A WOMAN,
BECAUSE I DON'T THINK IT'S SHAMEFUL TO BE A WOMAN


SAIBA COMO JAMES OSTERBERG GANHOU SEU APELIDO:

Um comentário:

Anônimo disse...

muito foda!!!!!! como sempre!!! brasa na véia!!!